politica

Pai e filho

Imprimir

A novela política brasileira chega próximo de um final decepcionante: todos os políticos envolvidos perderam. Só os empresários de Anápolis, Goiás, ganharam muito: Joesley Batista e irmãos. Eles conseguiram o perdão eterno de suas dívidas com a Justiça brasileira, tocaram fogo no governo federal, garantiram seus empreendimentos no exterior, se mudaram para os Estados Unidos, lucraram na crise provocada por eles mesmos e, por último, venderam a Alpargatas para um grupo de empresas nacionais com lucro líquido de R$ 800 milhões.

Anápolis está com a bola toda. Já os políticos brigaram tanto por seus interesses que perderam a noção de futuro. O ex-presidente Lula foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a detenção por nove anos e seis meses em regime fechado. Acusado de lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio. Toda a cúpula do PT, digamos os históricos, está presa ou sentenciada de alguma forma. Não sobrou nenhum deles. Todos os tesoureiros do partido sofreram com a mão pesada da Justiça. E para piorar, Lula poderá se transformar em ficha suja. Ou seja, inelegível. Os dinheiros e os projetos ideológicos naufragaram. Terra arrasada.

O PMDB de Michel Temer passa por situação semelhante. Todos os auxiliares do presidente que tinham gabinete no terceiro andar do Palácio do Planalto deixaram suas funções. Razões diversas. Vários ministros foram obrigados pelas circunstâncias a abandonar seus cargos. Muita gente presa. Muita delação a caminho. E a denúncia do procurador geral da República que acusa, com dedo em riste, o chefe do governo de corrupção. Janot vai para casa em setembro. Seu momento de superstar se esgotou. Vai mudar de vida.

Em agosto tudo pode mudar, de novo

Não restou nada de edificante deste período. A oposição sabe que não tem os votos necessários para vencer no plenário da Câmara. Não tem pressa. O jogo é protelar a decisão final sobre a denúncia de Janot para provocar mais e mais movimentos defensivos do presidente da República. É o desgaste de Temer. A votação definitiva deverá ocorrer em agosto – sempre agosto – quando afinal se saberá se Temer fica ou sai. Quantas vezes, ele já caiu no discurso fácil dos oposicionistas ou do noticiário comprometido? A apatia verificada nos brasileiros de norte a sul, leste a oeste, responde a estas perguntas. O brasileiro se cansou e passou a desconfiar do que vê e ouve. Deixou de haver relação de causa e efeito no território da política brasileira.

É um momento rico e triste. O país não merece a liderança que tem. Apesar de colocado contra a parede o governo Temer em pouco mais de um ano colecionou vitórias importantes. Fez reformas profundas. Acaba de aprovar a trabalhista. Falta a previdenciária. Se conseguir emplacar as novas idades para aposentadoria terá realizado muito. A inflação caiu, a indústria começa a se movimentar, o balanço comercial está superavitário, as safras agrícolas são excelentes e o desemprego parou de avançar. É um resultado muito bom para o pouco tempo de governo.

Todos os protagonistas perderam. Não há vitoriosos neste longo e penoso processo de autofagia vivido pelos políticos. Jogaram os brasileiros uns contra os outros. Puseram dinheiro no bolso do Joesley. E nenhum grupo conseguiu a sonhada hegemonia. Tudo começou com o aumento dos preços das passagens de ônibus em 2013. Depois Dilma foi vaiada na Copa das Confederações. As multidões foram para as ruas e os petistas não souberam o que fazer. Não apareceu o líder para conduzir a massa. Agora, a economia anda sozinha, descolada da política.

De pai pra filho

A política não percebe os números. O parlamentar olha apenas para a próxima eleição. Não imagina a próxima geração. Tão confuso é o cenário que Cesar Maia, vereador, ex-prefeito do Rio de Janeiro, escreveu, nesta semana, em seu blog o seguinte:

“Não é comum querer derrubar um presidente da República sem explicitar claramente a ação delituosa que teria sido cometida pelo governante. As pessoas que assim agem estão cegas de ódio e de paixão ideológica. Não veem que se derrubarem o atual presidente, apenas transferirão a crise para o próximo que ocupar o Palácio do Planalto. E tanto pior para o país se essa pessoa for também objeto de um ou dois, talvez mais, processos da Lava Jato e operações afins”. – Cesar Maia

Acontece que o autor destas linhas é o pai de Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados e eventual substituto de Michel Temer na presidência da República. Os temores dele revelam a preocupação de um pai que cuida do filho.

Publicado no Correio Braziliense em 14/07/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais