politica

Manifestantes perdidos; Congresso muda a maneira de votar

Imprimir

Grupos de rua estão fracassando na estratégia de comunicação e na escolha de seus alvos, por isso leia-se os que escolhem atacar e os que escolhem poupar. Daí vê-se uma mobilização muito menor do que em outras situações.

A tônica principal de hoje é a defesa da Lava-Jato. Claro, sem nenhuma proposta objetiva para isso. Apenas querem defender a operação. Por essa ótica também poderiam propor uma manifestação em defesa do ar puro, pelo fim da fome mundial ou qualquer outra proposta de desfile de miss.

A Operação Lava-Jato vai bem e não há nenhum movimento feito pela classe política para que seja interrompida ou limitada. Não que esse pensamento não seja desejado por alguns, mas não há ações nesse sentido.

Reforma Política: lista fechada é anomalia

A bola da vez, de novo deixada de lado pelos grupos de rua, é a Reforma Política que o Congresso está propondo. Os principais líderes tramam tirar a escolha dos eleitores sobre seus representantes diretos.

A tal “lista fechada” é uma anomalia política. Reduz o custo da eleição, dizem alguns. Sim, reduz. Mas, também reduz em muito a representatividade e o vínculo do parlamentar com seus eleitores.

O ganho com a redução do custo de campanha não compensa a enorme perda da democracia.

Hoje, grande parte dos parlamentares votam com medo das ruas. Com a lista fechada isso acabará. O poder estará na mão dos partidos.

Em 2015 fui defender o voto distrital na comissão de Reforma Política enquanto os manifestantes gritavam “fora Dilma”. Como eu previa, Dilma só caiu muito depois, quando o Congresso entrou em acordo.

Toda a energia da rua foi desperdiçada gritando por algo que aconteceria naturalmente, dado o desgaste e a falta de sensibilidade política da ex-presidente.

Os grupos parecem viver um looping. Novamente as regras do jogo estão em discussão e, novamente, as cabeças estão perseguindo borboletas imaginárias.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A disputa em 2018 também inclui a narrativa politica


A linguagem da política permite identificar o tipo de visão de mundo do interlocutor, tanto do ponto de vista político – se situado à direita ou à esquerda do espectro político – quanto do ponto de vista ideológico, se liberal ou socialista.

Ler mais

Sem dinheiro para os rábulas


O Estadão publicou no último dia 27 de março levantamento sobre a posição de 14 candidatos à Presidência da República em relação à possibilidade de prisão em segunda instância. A chamada esquerda votou contra a atual, e frágil, jurisprudência.

Ler mais

O Sistema Político Brasileiro faliu e precisa ser reinventado


O Sistema Político Brasileiro, por razões estruturais e operacionais de suas instituições, é um dos mais complexos, fragmentados, caros e ineficientes do mundo. Ademais, o Parlamento convive diuturnamente com episódios de corrupção, vulnerabilidade aos lobbies e captura pelo Executivo.

Ler mais

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário


Quando decidiram que era tarde da noite para decidir sobre a prisão em segunda instância, os juízes da Suprema Corte abriram uma brecha para a soltura dos meliantes do erário. Se decretarem a alforria de ladrões graúdos, os onze supremos sufetas estarão sepultando a Lava-Jato.

Ler mais