crise

Por que Meirelles disse não, não e não a Lula e sim a Temer

Imprimir

Amigos petistas não entendem como Henrique Meirelles possa ter recusado dois a três convites de Lula para ser o todo poderoso ministro da Fazenda do 2º governo Dilma e aceitado o encargo no governo interino do vice Michel Temer. A questão precisa ser contada do começo. Meirelles, que deixara a presidência mundial do Bank of Boston, no 2º semestre de 2002, para concorrer (e se eleger) a deputado federal do PSDB por Goiás, assumiu o Banco Central no governo Lula a convite do ministro da Casa Civil, José Dirceu, e fez boa dobradinha com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, até a saída de Dirceu na segunda metade de 2005. Dirceu foi trocado pela então ministra das Minas e Energia, Dilma Roussef.

Palocci antes de deixar a Fazenda, em março de 2006 (substituído por Guido Mantega, após a violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo), apresentou, com o apoio de Meirelles, um plano de produção de robustos superávits primários estruturais até 2014, desenhado pelo ex-ministro Delfim Netto, um dos ‘espíritos santos de orelha’ de Palocci e Lula. Pois Dilma torpedeou violentamente o plano, que visava traçar uma trajetória declinante para a dívida pública líquida em relação ao PIB (estava em 41% na época), taxando-o de rudimentar.

Dilma perseguiu Meirelles e chegou a convencer Lula a trocá-lo por Luciano Coutinho (presidente do BNDES que sucedeu a Mantega), quando Meirelles trouxe a notícia de que o Brasil obtivera o grau de investimento das agências de risco em maio de 2007. Dilma teve de engolir Meirelles até o fim do 2º governo Lula. Quando Mantega continuou na Fazenda no 1º governo Dilma, a presidente rasgou de vez a austeridade e lançou a Nova Matriz Econômica, com forte intervencionismo estatal e cruzamento de contas entre Tesouro e bancos públicos.

Após a reeleição, quando a Nova Matriz já fazia água e Dilma já descartara Guido Mantega, Lula insistiu no convite a Meirelles, que, elegantemente, recusou. Lula, então, convidou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco para ser ministro da Fazenda e o banqueiro declinou, sugerindo Joaquim Levy, um dos vice-presidentes do banco.
Com a saída de Levy, no fim do ano passado, Lula voltou a convidar Meirelles, que novamente recusou. Ele queria ter Meirelles como companheiro do governo no qual não tomou posse.

Por que Meirelles aceitou o cargo agora?

Por que então, Meirelles aceitou agora o encargo com a economia bem mais deteriorada do que em fins de 2014 ou de 2015? Meirelles sabe que se atritaria com Dilma porque jamais receberia carta branca dela e do PT para pôr ordem na casa desarrumada pela política econômica da presidente afastada.

A situação não está nada fácil. O endividamento público líquido chegou a 74% do PIB, tendendo a 79% em 2017 e o risco do Brasil desceu dois degraus abaixo da classificação de investimento. Mas agora Meirelles está seguro de que terá respaldo do novo governo e da base política no Congresso para a adoção de reformas estruturais e às medidas duras para sanear a economia, intervir nos bancos públicos e trazer o endividamento público de volta aos trilhos do razoável.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais