crise

Por que Meirelles disse não, não e não a Lula e sim a Temer

Imprimir

Amigos petistas não entendem como Henrique Meirelles possa ter recusado dois a três convites de Lula para ser o todo poderoso ministro da Fazenda do 2º governo Dilma e aceitado o encargo no governo interino do vice Michel Temer. A questão precisa ser contada do começo. Meirelles, que deixara a presidência mundial do Bank of Boston, no 2º semestre de 2002, para concorrer (e se eleger) a deputado federal do PSDB por Goiás, assumiu o Banco Central no governo Lula a convite do ministro da Casa Civil, José Dirceu, e fez boa dobradinha com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, até a saída de Dirceu na segunda metade de 2005. Dirceu foi trocado pela então ministra das Minas e Energia, Dilma Roussef.

Palocci antes de deixar a Fazenda, em março de 2006 (substituído por Guido Mantega, após a violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo), apresentou, com o apoio de Meirelles, um plano de produção de robustos superávits primários estruturais até 2014, desenhado pelo ex-ministro Delfim Netto, um dos ‘espíritos santos de orelha’ de Palocci e Lula. Pois Dilma torpedeou violentamente o plano, que visava traçar uma trajetória declinante para a dívida pública líquida em relação ao PIB (estava em 41% na época), taxando-o de rudimentar.

Dilma perseguiu Meirelles e chegou a convencer Lula a trocá-lo por Luciano Coutinho (presidente do BNDES que sucedeu a Mantega), quando Meirelles trouxe a notícia de que o Brasil obtivera o grau de investimento das agências de risco em maio de 2007. Dilma teve de engolir Meirelles até o fim do 2º governo Lula. Quando Mantega continuou na Fazenda no 1º governo Dilma, a presidente rasgou de vez a austeridade e lançou a Nova Matriz Econômica, com forte intervencionismo estatal e cruzamento de contas entre Tesouro e bancos públicos.

Após a reeleição, quando a Nova Matriz já fazia água e Dilma já descartara Guido Mantega, Lula insistiu no convite a Meirelles, que, elegantemente, recusou. Lula, então, convidou o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco para ser ministro da Fazenda e o banqueiro declinou, sugerindo Joaquim Levy, um dos vice-presidentes do banco.
Com a saída de Levy, no fim do ano passado, Lula voltou a convidar Meirelles, que novamente recusou. Ele queria ter Meirelles como companheiro do governo no qual não tomou posse.

Por que Meirelles aceitou o cargo agora?

Por que então, Meirelles aceitou agora o encargo com a economia bem mais deteriorada do que em fins de 2014 ou de 2015? Meirelles sabe que se atritaria com Dilma porque jamais receberia carta branca dela e do PT para pôr ordem na casa desarrumada pela política econômica da presidente afastada.

A situação não está nada fácil. O endividamento público líquido chegou a 74% do PIB, tendendo a 79% em 2017 e o risco do Brasil desceu dois degraus abaixo da classificação de investimento. Mas agora Meirelles está seguro de que terá respaldo do novo governo e da base política no Congresso para a adoção de reformas estruturais e às medidas duras para sanear a economia, intervir nos bancos públicos e trazer o endividamento público de volta aos trilhos do razoável.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais