previdencia

Zeina Latif e Paulo Tafner concordam: é melhor reformar a previdência agora

Imprimir

Seria sábio os candidatos darem apoio à reforma da previdência neste ano, pois ela será inevitável em 2019“, escreveu a economista Zeina Latif no Estadão desta quinta, 7. “É melhor disputar a reeleição em um País crescendo a 3,5%, 4%, do que em um País que cresce a 1%, depois de uma recessão profunda“, afirmou o também economista Paulo Tafner em entrevista ao mesmo Estadão.

Latif se referia aos presidenciáveis. Tafner, aos parlamentares federais.

Ambos propugnam o mesmo raciocínio, estribado em dois prognósticos. (1) A reforma terá que vir mais cedo ou mais tarde. Agora, a conta é mais amena. (2) Aprovada, provocará otimismo empresarial. E, com ele, o investimento do setor privado, quem tem dinheiro para desembolsar.

Na segunda, 4, o Blog da Política Brasileira publicou diagnóstico semelhante. “Um presidenciável que adota esta postura [contrária à reforma da previdência] está jogando no seu próprio colo a bomba-relógio que vai estourar as contas públicas”.

Velhos de pijama

Aprovar a reforma antes do pleito de 2018 poupará o sucessor da batalha que o presidente Michel Temer se dispôs a enfrentar. Quem assumir, herdará uma situação fiscal menos trágica.

Ou alguém acredita que o presidente quer reformar a previdência porque detesta velhinhos de pijama? No horizonte, há um cálculo político: o crescimento menos lento e duradouro, como preveem economistas. Não à toa, Fernando Henrique, Lula e Dilma propuseram reformas previdenciárias.

Mas se a economia melhorar, Temer e sua grei chegarão à sucessão fortalecidos e em condições de fazer o sucessor? Em que pese sua abissal impopularidade, é uma possibilidade.

Em contrapartida, quem vencer entra em campo com o time no ataque. Com as contas menos desequilibradas é mais fácil manter inflação, juros e desemprego baixos com renda estável. E popularidade em alta.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais