clipping-politica-brasileira

Clipping: Moro aceita denúncia contra Lula

Imprimir

O juiz federal Sérgio Moro abriu ação penal da Operação Lava Jato a partir da denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a mulher do petista, Marisa Letícia, o empreiteiro da OAS Léo Pinheiro e outros cinco acusados. Lula é acusado corrupção passiva e lavagem de dinheiro no esquema de cartel e propinas na Petrobrás. É a primeira vez que o ex-presidente vai para o banco dos réus. Moro afirmou que o processo aberto ontem é a oportunidade para Lula “exercer livremente sua defesa” e que caberá ao Ministério Público Federal produzir “a prova acima de qualquer dúvida razoável” do envolvimento do petista nos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, dentro do esquema de desvios na Petrobrás. A defesa de Lula apresentou ainda em julho uma exceção de suspeição – ainda não julgada -pedindo o afastamento de Moro por perda de sua imparcialidade para julgar Lula, após ter praticado diversos atos que violaram as garantias fundamentais do ex-Presidente. (Estadão)

Temer: Brasil vive uma estabilidade extraordinária

Em um encontro organizado pelo Conselho das Américas com empresários em Nova York, o presidente Michel Temer buscou restaurar a confiança dos investidores no país. Afirmou que o Brasil vive uma “estabilidade política” extraordinária. Sem citar o governo anterior, disse que a má relação entre o Executivo e o Legislativo foram superadas. Temer citou o déficit e o desemprego como fruto de “medidas que deveriam ter sido tomadas muito tempo atrás, não foram e por isso geraram esta instabilidade financeira”. Defendeu a aprovação das reformas, com o apoio “significativo do Congresso” e a importância do PPI para retomar os investimentos e sair da recessão. (Folha)

Anistia de ‘caixa dois’ envolveu grandes partidos

Ninguém assume a paternidade da proposta, mas a tentativa frustrada para aprovar o texto que criminaliza o caixa dois, mas que poderia abrir brecha para livrar políticos que cometeram essas irregularidades no passado, teve como protagonistas as principais legendas da Câmara, especialmente PSDB, DEM, PP e PT. Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, afirmou que houve erro coletivo, mas não deu nomes e prometeu só colocar a proposta em votação junto com as outras nove medidas contra a corrupção sugeridas pelo Ministério Público (MP). Relatos informam que o assunto esteve presente em conversas nas últimas semanas e propunha anistia ampla e geral não apenas para o caixa 2, alguns defendiam algo mais restrito ao caixa 2 e mesmo ao caixa 1, oficial. O importante seria deixar claro no texto que iriam criminalizar, mas que não valeria para os crimes passados. (O Globo)

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem dinheiro para os rábulas


O Estadão publicou no último dia 27 de março levantamento sobre a posição de 14 candidatos à Presidência da República em relação à possibilidade de prisão em segunda instância. A chamada esquerda votou contra a atual, e frágil, jurisprudência.

Ler mais

O Sistema Político Brasileiro faliu e precisa ser reinventado


O Sistema Político Brasileiro, por razões estruturais e operacionais de suas instituições, é um dos mais complexos, fragmentados, caros e ineficientes do mundo. Ademais, o Parlamento convive diuturnamente com episódios de corrupção, vulnerabilidade aos lobbies e captura pelo Executivo.

Ler mais

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário


Quando decidiram que era tarde da noite para decidir sobre a prisão em segunda instância, os juízes da Suprema Corte abriram uma brecha para a soltura dos meliantes do erário. Se decretarem a alforria de ladrões graúdos, os onze supremos sufetas estarão sepultando a Lava-Jato.

Ler mais

A lógica do paternalismo e o Estado controlador


A influência que a esquerda exerce sobre as redações, a academia e o mundo artístico propaga conceitos ideológicos como se fossem verdades certificadas. Quem discorda é patrulhado por “especialistas” arregimentados pela mídia em geral – que, mais das vezes, busca quem confirme sua tese.

Ler mais