brasil-politica

Mudança de paradigma no pós-impeachment

Imprimir

O pós-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff trouxe consigo uma mudança de paradigma na relação do Estado com o mercado em pelo menos duas dimensões: a) econômico-fiscal e b) ético-moral. E isso, além de vitória, parece tranquilizador para o investidor/empreendedor.

A primeira dimensão decorre, de um lado, da recusa do mercado à intervenção do governo em seus negócios – seja escolhendo campeões, via bancos públicos, seja restringindo margem de retorno via regulação – e, de outro, pela rejeição à ampliação do gasto público sem bases sustentáveis.

A segunda em consequência, de um lado, da intolerância da sociedade a desvio de conduta, e, de outro, da aplicação de punições cíveis e penais a todos que forem flagrados descumprindo a lei, seja no caso do agente público, praticando advocacia administrativa ou se beneficiando da vantagem indevida, seja no caso do empresário, praticando corrupção, concorrência desleal, tráfico de influência ou lavagem de dinheiro, entre outros crimes.

Assim, independentemente da visão ideológica dos futuros presidentes, frente à situação fiscal do País e às leis de transparência e combate à corrupção, eles estarão na contingência de, nesse campo, fazer o que é necessário e não o que seja politicamente conveniente.

Exercerão plenamente, em plena sintonia com sua plataforma de campanha, suas relevantes funções de chefe de governo, chefe de estado e líder da nação, mas não poderão ser perdulários nem intervencionistas, pelo menos a ponto de sufocar os contribuintes e afugentar os investidores.

Nesse diapasão, a política intervencionista da ex-presidente Dilma teve efeito pedagógico, demonstrando que o capitalismo rejeitará todo e qualquer governante que quiser interferir na margem de retorno ou tentar promover gastos permanentes de modo insustentável. Dilma, nesse ponto, despertou o instituto animal do empresariado, para o qual a liberdade na busca do lucro é intocável.

Por sua vez, a revelação das práticas anti-republicanas na relação dos governos com o mercado, como o pagamento de propina em troca de favores ao setor privado, embora não seja fato novo, igualmente teve efeito pedagógico, principalmente graças a legislação aprovada entre 2010 e 2015, em especial a atualização de lei de lavagem de dinheiro (Lei nº 12.683/11), a lei geral de acesso à informação (Lei nº 12.527/11), a lei de conflito de interesse (Lei nº 12.813/13), a lei de responsabilização da pessoa jurídica (Lei 12.846/13) e a lei de delação premiada (Lei nº 12.850/13).

Com esse arsenal de legislação, os órgãos de fiscalização e controle ganharam autonomia em sua atuação, passando da condição de órgãos de governo para órgãos de Estado, com seus servidores dispondo de instrumentos e ferramentas só acessíveis antes aos integrantes de Comissões Parlamentares de Inquéritos – CPIs. Além disso, a renovação dos quadros nessas estruturas, como ingresso sistemático de servidores concursados nos últimos 15 anos, também contribuiu para ampliar a capacidade de ação autônoma desses órgãos.

Nessa perspectiva, aquilo que veio à tona e que enojou a todos, pelas relações promiscuas entre o governo e o mercado, foi positivo porque, embora essa prática possa se repetir, ela será punida civil e penalmente. Isso representa um avanço na administração pública brasileira.

Entretanto, o excesso de rigor na adoção do novo regime fiscal poderá colocar em risco essa mudança. É que a equipe econômica de Michel Temer, na ânsia de rapidamente reverter o desequilíbrio fiscal, está comprometendo a manutenção de serviços essenciais, com a política de crescimento real zero do gasto público por 20 anos, o que poderá provocar revolta popular pela incapacidade do estado de atender demandas básicas da sociedade. O ajuste fiscal inflexível, além disso, pode colocar em risco a própria atuação das atividades exclusivas de Estado, inviabilizando investimentos em tecnologia, ações executivas e a própria preservação dos seus quadros de pessoal.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais