brasil

Mudando de assunto

Imprimir

Antes que o assunto seja completamente esquecido e substituído pela eterna crise política nacional, vale a pena refletir sobre o tiroteio na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, ocorrido significativamente durante o Rock in Rio, grande festival de música. A metade da cidade se divertia, enquanto a outra parte se escondia das balas perdidas. E os políticos se desentendiam em Brasília.

Nos anos oitenta, no século passado, participei do seminário sobre jornalismo e estabilidade democrática, promovido pelo Centro Internacional de Estudos Superiores de Comunicação para América Latina, o chamado Ciespal.

A sede fica em Quito, no Equador. Naquela época a questão política era contaminada pelos estertores da guerra fria. No Brasil, os retornados pela anistia desejavam influir na produção do novo texto constitucional.

Aparecia cercado de objetivos nobres o Partido dos Trabalhadores, cujo líder era um metalúrgico barbudo, de voz rouca, conhecido como Lula. Em Quito, o debate político girou em torno de outro assunto: o narcotráfico.

A tese era de que, em prazo razoável, o principal adversário das democracias latino-americanas não seriam os comunistas nem as ditaduras militares. Mas os narcotraficantes que operam com grandes quantidades de dinheiro, capazes de corromper desde o guarda da esquina até as mais altas autoridades do país.

No Rio de Janeiro, os governadores, naquela época, fizeram pactos com traficantes, como faziam antes com bicheiros. Nada de assaltos ou constrangimentos aos turistas durante as grandes festas populares. Os governos tratam o assunto de maneira cosmética. Breves declarações, meia dúzia de soldados e agitação na frente das câmeras de televisão. Passada a emergência, tudo retorna à situação anterior.

Na Colômbia, as Forças Armadas Revolucionárias (FARC) não tomaram Bogotá porque não quiseram. Os guerrilheiros seriam obrigados a montar um sistema político. Isso é caro e ineficiente. Não rende nada.

Desejavam apenas manter abertos os caminhos para exportar cocaína para os Estados Unidos, o maior consumidor mundial do produto e outros mercados menores. Assim trabalharam durante décadas, protegendo o produtor e o tráfico com soldados e armas. O sul do país chegou a constituir uma extensa área sob controle da guerrilha. O governo federal não mandava lá.

O acordo entre as FARC e o governo da Colômbia é recentíssimo. O grupo guerrilheiro está em processo de desmobilizar tropas e devolver armas. Vai participar da política no país por intermédio de partidos legalmente organizados.

Mas o cultivo e a produção da cocaína continuam inalterados na Colômbia, no Peru e na Bolívia. O tráfico é organizado e hierarquizado. No Brasil, se a droga é destinada à exportação, percorre os estados do norte. Boa parte sai pelo Suriname tendo como destino a Europa. A novidade é que hoje parte da droga pode estar sendo produzida dentro do território brasileiro.

Quando o produto é encaminhado para os estados do sul, o objetivo principal é abastecer os mercados do Rio de Janeiro e de São Paulo. Quem conhece a cidade do Rio de Janeiro, e sabe onde fica a Rocinha, sabe que a favela está numa posição estratégica.

Ela abastece consumidores do Leblon, Ipanema, Gávea e atende toda a zona oeste, Barra da Tijuca. Ou seja, a posição é excepcional. Vale um tiroteio. Ainda mais no momento que se realiza o Rock in Rio, quando o consumo de drogas é excepcional. Exatamente como acontece no Carnaval. Só há traficante porque há demanda.

A polícia sabe onde a droga é vendida. O proprietário da boca de fumo nem sempre é favelado. O gerente da boca opera o negócio, passa parte dos lucros para o patrão. No alto desta cadeia de comércio está o produtor da cocaína.

São grupos poderosos comandados por jovens que cursaram as melhores universidades do mundo. São fluentes em vários idiomas. O mundo das drogas é muito rico e influente. A guerra do Afeganistão não terminou, até hoje, por causa do ópio que é largamente produzido naquele país. Entra nos Estados Unidos por todos os poros.

O governo do Rio de Janeiro, corrupto e desorganizado, nunca se preocupou de fato com as drogas. Ao contrário, caminhou ao lado. Quem vai à praia sente o cheiro de maconha. O Exército brasileiro não tem capacidade operacional para enfrentar essa bem armada e organizada guerrilha urbana.

A polícia carioca muito menos. O tráfico é, de fato, a principal ameaça à democracia brasileira. Se operar junto com alguns políticos ou empreiteiros brasileiros terá capacidade destruir qualquer regime no continente.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais

Governabilidade do próximo presidente: condições e pressupostos


A palavra governabilidade refere-se às próprias condições substantivas ou materiais de exercício do poder e de legitimidade do Estado e do seu governo, ambas derivadas da postura governamental diante da sociedade civil e do mercado. Nessa perspectiva, a governabilidade diz respeito à autoridade política do Estado em si, entendida como a capacidade que este tem para agregar os múltiplos interesses dispersos pela sociedade e apresentar-lhes um objetivo comum para os curto, médio e longo prazos, e depende da relação entre a autoridade e as instituições de governo, bem como do poder das instituições que a ele se opõem. Assim, a governabilidade estará ou não presente na medida em que haja apoio às políticas do governante e à sua capacidade de articular alianças e coalizões/pactos entre os diferentes grupos sócio-políticos para viabilizar o seu projeto de Estado e sociedade, conferindo-lhe legitimidade para implementar políticas. Para garantir a governabilidade, e evitar a paralisia ou o colapso das instituições e dos serviços públicos, é indispensável quatro tipos de estabilidade:  política, social, financeira e de gestão. A primeira estabilidade – a política – é crucial, pois tem relação direta com a legitimidade do governo. Ela depende, além da aceitação do resultado eleitoral, de apoio no Poder Legislativo, o lócus onde se forma a vontade normativa do Estado e o foro legítimo e apropriado para a solução das demandas da sociedade a serem traduzidas na forma de lei e de políticas públicas. Uma boa relação com o Poder Legislativo é fundamental porque quando o Congresso dispõe de agenda própria e diverge majoritariamente do programa do presidente eleito, e, no sistema político brasileiro, o Chefe do Poder Executivo só tem três alternativas: a) concordar com as propostas do Congresso, fazendo-as suas; b) obedecer, ou seja, aceitar a contragosto o que for aprovado, até porque o Congresso […]

Ler mais