eleicoes-2018

ESPECIAL: Indefinições à direita e à esquerda

Imprimir

No campo do centro-direita, a vantagem nas intenções de voto hoje está com Bolsonaro. Porém, esse cenário não está consolidado, pois nomes como Geraldo Alckmin e João Doria possuem potencial de crescimento. Além disso, podemos ter a candidatura de Henrique Meirelles, que disputaria a mesma fatia do eleitorado que Bolsonaro, Alckmin e Doria.

“Não voto” supera 40%

Nota-se também na hipótese sem Lula que o nome alternativo ao ex-presidente como candidato do PT (Fernando Haddad) apresenta sérias dificuldades de potencial eleitoral. Como a diferença da intenção de voto em Lula (25% a 30%) para Haddad (4%) é muito elevada, conclui-se que o voto no ex-presidente é de difícil transferência para outra alternativa do PT.

Nessa circunstância também podemos observar um crescimento significativo do chamado “não voto” (brancos, nulos e indecisos), que supera os 40%. Novamente Joaquim Barbosa aparece com um índice interessante de intenção de voto, o que o coloca como peça importante para uma eventual composição.

Pelo que podemos observar nos dois cenários possíveis para a sucessão de 2018, teremos uma eleição com um grau de imprevisibilidade muito alto.

À espera do Judiciário

A redução dessa incerteza no quadro sucessório não depende apenas da política, mas também do Judiciário. Apesar de desgastado pela Lava-Jato, Lula lidera as intenções de voto. Como consequência, o PT e as demais forças políticas aguardarão os desdobramentos da questão jurídica envolvendo o ex-presidente para se definir.

Enquanto essa questão não for resolvida ou, pelo menos, se tornar mais clara, as demais candidaturas continuarão em compasso de espera. E não é apenas no PT que há indefinições. No PSDB, por exemplo, Geraldo Alckmin e João Doria, que apresentam praticamente o mesmo potencial eleitoral nas pesquisas, devem travar uma acirrada disputa. Esse embate, dependendo de como for gerenciado pelos tucanos, poderá culminar com a saída de Doria do partido para disputar o Palácio do Planalto por outra legenda.

A espera da definição sobre o rumo da candidatura Lula também impacta Marina Silva e Ciro Gomes, pois sem o ex-presidente no páreo, crescem as chances de um dos dois chegar ao segundo turno. Jair Bolsonaro, Joaquim Barbosa, Ayres Britto e Henrique Meirelles, nomes cotados como pré-candidatos, também aguardam a definição do futuro de Lula (e do PT) para realizar movimentos mais concretos.

Veja os números das últimas pequisas:

Veja outros textos desta série especial pré-eleições:

ESPECIAL: Lula/2018, com ou sem?

Especial: Para enfrentar Lula, Bolsonaro ou Alckmin

ESPECIAL: Sem Lula o PT vai de plano B

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais