brasil

Nelson Jobim e o paradoxo da Lava-Jato

Imprimir

Em entrevista à jornalista Alexandra Martins, d’O Estado de S. Paulo deste domingo, 26, o ex-ministro da Suprema Corte, Nelson Jobim, criticou a Operação Lava-Jato. Segundo ele, a “ação-espetáculo, ou seja, a “espetacularização de todas as condutas” é arbitrária.

O ex-colaborador dos presidentes FHC, Lula e Dilma também condena que juízes tenham o verniz high-profile, característica que, entende, é intrínseca de parlamentares. “O Judiciário não é ambiente para você fazer biografia individual. Biografia se faz em política”, concluiu.

Sua segunda afirmação é discutível. Primeiro, porque decisões polêmicas geram polêmica independentemente da vontade dos juízes. Segundo, porque a sociedade que paga os altos salários e as muitas regalias do Judiciário tem direito de saber mais deste Poder do que os ininteligíveis cartapácios em que se transformam as sentenças judiciais – repletas de jargões com os quais os jurisconsultos tentam parecer sérios e cultos.

Já a “espetacularização” envolve um paradoxo, portanto de assimilação mais complexa. De fato, as vítimas de um juiz ou de um procurador preferem a discrição do que as ações midiáticas. Diante da presunção de inocência, poder-se-ia afirmar que é um direito.

Pode-se até argumentar, com razão, que a exposição antecipa uma condenação pública nem sempre confirmada posteriormente pelas investigações. Afinal, um suspeito de hoje pode ser o inocentado de amanhã. Que o diga a ralé que, detida, é logo exposta como marginal por meganhas.

Nunca houve investigação como a Lava-Jato

E aí que entram as particularidades da Lava-Jato. Primeiro, ela é absolutamente inédita no Brasil. Nunca na história desse País tantos poderosos corruptos foram investigados e condenados. Ao final – se é que um dia ela vai acabar -, razoável crer que se transforme num marco: ser rico e poderoso não significa ficar impune.

Por mais que os pessimistas insistam em concluir que neste País os donos do poder e do dinheiro sempre se safam da Justiça, as investigações conduzidas a partir de Curitiba provam o contrário. Larápios graúdos estão presos. Num País onde na maioria das vezes só bagrinhos são encarcerados (muitas vezes sem julgamento), isto é didático.

Segundo, parte dos meliantes do erário expostos pelas inúmeras operações policiais foram flagrados dilapidando astronômicas quantias de dinheiro público. Roubaram verbas que deveriam ser destinadas a escolas, a hospitais e à segurança pública. Portanto, o tema é de interesse público.

E onde está o paradoxo? Como o juiz Sergio Moro deixou muito claro no roteiro que escreveu antes do início das operações, sem a densa cobertura da mídia dificilmente seria possível prender tanta gente graúda.

Ou seja, se é verdade que procuradores e juízes perseguem o espetáculo como arma de suas ações, também é verdade que sem as exibições públicas justiceiras dificilmente a Lava-Jato teria (ou terá) êxito. Como exemplo de arbitrariedade, Jobim cita a condução coercitiva de Lula – obsessão dos operadores, sem que mostrem, até aqui, o mesmo desvelo com próceres do PSDB e do PMDB.

Adotar doravante a discrição absoluta pode redundar no declínio da operação, pois é inegável que ela se respalda enormemente na opinião pública, a funcionar como um escudo contra tentativas de abafamento. Extrapolar as “ações-espetáculo”, por seu turno, pode desvirtuar a até aqui bem-sucedida iniciativa de punir gente poderosa e endinheirada, além de macular suspeitos eventualmente inocentes.

Se houver um equilíbrio entre ambas as opções, melhor. De qualquer jeito, todos, acusadores e acusados, andam no fio da navalha.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais