operacao-lava-jato

A nova divisão nacional

Imprimir

Nos anos 1970 o País estava dividido entre os defensores e os opositores do regime militar. Já nos inícios deste século o PT introduziu uma outra divisão, entre o “Nós” e o “Eles”, tentando convencer o povo de que o “Nós” eram os defensores dos pobres, da ética e da democracia. O “Eles” eram os reacionários, defensores da desigualdade e contra os direitos humanos. No ano passado foi introduzida a divisão entre os que foram a favor do impeachment e os que foram contra. Mas, essas narrativas de golpe, com o passar dos dias, começam a se desfazer. A divisão foi substituída por outra, entre os que são a favor e os que são contra as reformas. Agora, uma nova divisão parece ganhar forma, resultado das delações da Operação Lava jato.

A lista da Odebrecht

As delações dos 77 executivos da Odebrecht revelaram as entranhas da política brasileira de forma pornográfica. Apesar da afirmação de alguns especialistas de mercado de que se tratava de um “não evento”, provavelmente por um excesso de esnobismo, a Nação ficou estarrecida. Afinal, os detalhes são perversos. Tudo é objeto de negociação no reino da política e do Estado. As decisões são definidas em função de interesses de empresas e partidos, e sempre escondendo interesses escusos.

As delações da Odebrecht envolvem mais de uma centena de políticos e 26 dos 39 partidos. Cerca de uma centena de inquéritos estão sendo abertos em todo o País. As direções de todos os grandes partidos – PMDB, PT, PSDB, PP e DEM – estão envolvidas. Todas as grandes lideranças e presidenciáveis – com raras exceções, como Marina e Cristovam Buarque – foram citados pelos executivos, seja simplesmente recebendo dinheiro para suas campanhas sem declarar, seja trocando/comprando favores.

Assusta o montante de dinheiro que se distribui. São mais de 10 bilhões, só pela Odebrecht. A maioria dos leitores não deve ter nem percebido que o dinheiro distribuído por esta empreiteira, até com políticos que não lhe eram simpáticos ou não tinham chances de vencer as eleições, eram recursos não da empresa, mas nosso. Recursos públicos, embutidos no superfaturamento das obras. Dinheiro retirado dos hospitais, das escolas, segurança pública e da infraestrutura econômica, entre outros.

Nada está definido

Por enquanto, as delações foram apenas de uma empreiteira. Outras virão, e o espectro dos corruptos aumentará, sobretudo que, anteriormente restritas à Operação Lava Jato, as delações transbordam-na, e outras operações surgem, com novas investigações e delações. Ademais, o setor financeiro, um grande financiador de campanhas, ainda não falou. O Judiciário ainda foi atingido, mas em breve o será. Fala-se que um ministro do STJ será revelado nas delações da OAS. A sensação é que não ficará pedra sobre pedra. O sistema politico aparentemente se desfaz. E ninguém sabe o que se erguerá em seu lugar. Porém, nada está resolvido, os políticos não estão condenados, nem se sabe se de fato serão. Nem se o sistema político será de fato refeito, ou simplesmente recauchutado.

Por isso é perigoso o que a mídia começa a falar, apesar das negativas. Estaria em curso um acordão entre os maiores lideres do PMDB, PSDB e PT. Acordão que, diga-se de passagem, não passa necessariamente por uma conversa reservada entre os três, o que seria ingênuo, mas intermediado por políticos dos três partidos. Pode não ser verdade, contudo, não lhe falta lógica. E os sinais são muitos para se pensar o contrário. Quando Lula diz a Temer, por ocasião do velório de sua esposa, que “precisamos conversar”. O que estes dois personagens têm a conversar? Qual o único interesse comum?

No Parlamento já se gestam monstros, como o aumento do financiamento público para mais de dois bilhões de reais e um sistema eleitoral exclusivamente em lista, escondendo dos eleitores os candidatos implicados na Operação Lava jato. Ademais, da lei contra o abuso das autoridades, que na realidade é uma forma de inibir a ação do Judiciário contra as transgressões dos políticos.

A favor ou contra a corrupção

Esses movimentos revelam a formação da nova divisão no País: de um lado, aqueles que estão a favor da continuidade das investigações e, de outro, aqueles que são contrários. Uns que estão a favor do perdão aos que roubaram (e provavelmente ainda roubam) e, outros, a favor do julgamento e punição dos corruptos.

E o mais incrível, e inacreditável há três anos, a direção do movimento a favor da corrupção está com o PT e seu líder maior. Para eles, Moro é um agente da CIA e a Lava Jato uma operação do Imperialismo para impedir o crescimento econômico do Brasil. Por isso, para estes, a recuperação econômica do País e o retorno do emprego passa pela suspensão das investigações, delações, prisões, julgamentos e punições. Lutam pela anulação pura e simples da Lava Jato, como já ocorreu com outras operações, como a denominada Castelo de Areia (2009), pois só assim o País retomará o crescimento econômico, e claro, sobreviverá a velha classe política, e a velha e corrupta forma de fazer política.

A resolução dessa nova divisão definirá o futuro próximo do País. De que lado ficará a maioria do povo brasileiro decidirá, em parte, qual o Brasil que teremos nos próximos anos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais