ajuste

Aprovação da nova meta não será tranquila

Imprimir

A tentativa de aprovação da mudança do valor da meta fiscal pelo governo, objeto de disputas internas, enfrentará embates no Congresso. A definição do montante de R$ 159 bilhões de déficit em 2017 não agradou boa parte dos parlamentares. A repercussão não foi das melhores e alguns líderes preveem um cenário complicado para a tramitação do projeto de lei que promove a alteração.

Com um contingenciamento pesado no Orçamento e pouquíssimo espaço para investimento, muitos parlamentares avaliam que o apoio ao governo demanda um alto custo político perante o eleitorado e, por isso, querem compensações. A liberação de emendas parlamentares e de recursos para que obras e serviços da máquina pública não sejam paralisados são algumas das reivindicações.

Embora estejam cientes de que o valor definido ficou no limite das projeções, muitos defendiam um montante maior para comportar tais investimentos. Pela meta estipulada, a previsão é de que o valor empenhado nas emendas não ultrapasse R$ 1 bilhão este ano.

A primeira trincheira surgirá na Comissão Mista de Orçamento, onde o projeto começará a tramitar. O prazo de emendas será aberto na quarta-feira (23). Pelo cronograma do relator, deputado Marcus Pestana (PSDB-MG), a intenção é apresentar o parecer até o dia 5 de setembro e votá-lo até o dia 19, podendo a partir daí ser pautado em sessão plenária conjunta do Congresso. No entanto, dada a polêmica que o tema envolve, tal previsão pode não se confirmar.

Nos últimos três anos houve mudanças de meta e todas foram votadas em cenários conturbados. Em 2014, a então presidente Dilma Rousseff, que havia sido reeleita dias antes, encaminhou o projeto em 11 de novembro ao Congresso e a proposta teve a votação concluída no dia 15 de dezembro, numa sessão que durou mais de 18 horas.

Em 2015, com o governo sob forte contestação, a análise levou mais tempo. O projeto foi enviado em 23 de julho e a aprovação final ocorreu em 2 de dezembro. A de 2016 se deu em meio ao processo de impeachment de Dilma e foi sancionada por Temer, que já havia assumido a Presidência. A análise da proposta levou cerca de dois meses (de 23 de março a 25 de maio).

Embora o presidente Temer consiga reunir os votos para aprovar a proposta (que requer apenas maioria simples), prevê-se um processo complicado. A oposição tentará ao máximo impedir a aprovação da matéria, visto que se isso não ocorrer até o fim do ano o presidente incorre em crime de responsabilidade.

O governo também precisa estar atento à pauta do Congresso, pois os vetos presidenciais sobrestam as votações do plenário. Dessa forma, a meta só poderá ser votada se não houver vetos pendentes de deliberação.

Entretanto, há tempo suficiente para o governo vencer os obstáculos e aprovar a mudança antes de dezembro.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais