brasil

O mundo é uma bola e a do Brasil está murcha

Imprimir

Ontem, pela primeira vez na vida, fui a um jogo de beisebol. Confesso que, apesar de algum esforço, continuo sem entender a lógica. É um jogo truncado, cheio de nuances e sutilezas. Também é cheio de malandragem e os jogadores têm muita marra. Se acham o Romário.

Não é a primeira vez que assisto a jogos estranhos para brasileiros. Em 2002, vi uma partida inesquecível de futebol gaélico na qual 15 caras de cada lado chutavam, socavam e faziam embaixadinhas. Chutavam a bola na direção de uma trave que é, simultaneamente, igual à do nosso futebol e do rugby.

Tanto no beisebol quanto no futebol gaélico, o destaque é a organização. Tudo funciona perfeitamente e sem crises. Milhares de pessoas assistem com segurança e oferta abundante de comida e bebida. Inclusive cerveja. Com policiamento intenso e banheiros limpos. O resultado é uma frequência intensa, principalmente de crianças. Nada comparável à vergonha do nosso futebol.

O mundo é uma bola, e o Brasil reinou com seu futebol. Fomos superados por nossos defeitos e pela falta de profissionalismo. Podemos até vencer as Olimpíadas com nosso talento, mas estamos a anos-luz da organização necessária para tornar nossos clubes viáveis. O esporte é um espetáculo que, para gerar recursos, exige talento, estrutura e organização.

Na quarta divisão do futebol inglês, na qual assisti a dois jogos, a média de público na temporada passada foi de quase 5 mil pessoas por jogo! A Série A no Brasil tem como média cerca de 17 mil pessoas. Na Inglaterra, a Premiership tem algo em torno de 38 mil pessoas de público médio! O Manchester United tem média de 75 mil pagantes, além do fato de que os direitos de transmissão geram quase 2 bilhões de libras para os clubes.

O certo é que o mundo é uma bola, e a nossa está muito murcha.

Apesar do pessimismo com o qual entraremos em campo nos Jogos Olímpicos, é evidente que experimentamos um momento de trégua em relação à camisa verde-amarela. A chegada de Tite ao time principal e a volta de Neymar são duas apostas em vencedores e campeões.

Tite tem transmitido inspiração aos garotos comandados por Rogério Micale e um amigo carioca me contou que a atmosfera do Rio de Janeiro e o astral estão mudando às vésperas do início das Olimpíadas. Sabendo que o futebol é o mais belo dos esportes exatamente pelas surpresas que proporciona e depois de ver o que Portugal fez na Eurocopa, temos que nos render à lógica do famoso filósofo Caixa D’Água: “O jogo só termina quando acaba!”

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem dinheiro para os rábulas


O Estadão publicou no último dia 27 de março levantamento sobre a posição de 14 candidatos à Presidência da República em relação à possibilidade de prisão em segunda instância. A chamada esquerda votou contra a atual, e frágil, jurisprudência.

Ler mais

O Sistema Político Brasileiro faliu e precisa ser reinventado


O Sistema Político Brasileiro, por razões estruturais e operacionais de suas instituições, é um dos mais complexos, fragmentados, caros e ineficientes do mundo. Ademais, o Parlamento convive diuturnamente com episódios de corrupção, vulnerabilidade aos lobbies e captura pelo Executivo.

Ler mais

Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário


Quando decidiram que era tarde da noite para decidir sobre a prisão em segunda instância, os juízes da Suprema Corte abriram uma brecha para a soltura dos meliantes do erário. Se decretarem a alforria de ladrões graúdos, os onze supremos sufetas estarão sepultando a Lava-Jato.

Ler mais

A lógica do paternalismo e o Estado controlador


A influência que a esquerda exerce sobre as redações, a academia e o mundo artístico propaga conceitos ideológicos como se fossem verdades certificadas. Quem discorda é patrulhado por “especialistas” arregimentados pela mídia em geral – que, mais das vezes, busca quem confirme sua tese.

Ler mais