brasil-politica

O orçamento das Forças Armadas e o crime organizado

Imprimir

O que têm em comum o crime organizado e o corte nos recursos das Forças Armadas brasileiras? Tudo! Ambos não param de crescer e de se fortalecer. O crime organizado transnacional avança a passos largos para converter o Brasil e seus vizinhos em “novos méxicos” na América Latina. Com o corte de 44,5% do orçamento das Forças Armadas, este cenário torna-se ainda mais viável.

No ano passado, o Brasil deu um importante passo no sentido de impor um freio ao avanço da criminalidade nas fronteiras. Em novembro, o encontro liderado pelo presidente da República, Michel Temer, reuniu em Brasília representantes da Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai.

Na oportunidade, foi apresentado o Plano Nacional de Segurança Pública, cujo o policiamento de fronteiras é um dos pilares mais importantes.

Toma lá, dá cá

A constatação é óbvia: sem cooperação internacional nenhuma iniciativa produzirá resultados. Além disso, são as grandes cidades brasileiras as que pagam os maiores preços por conta da violência alimentada pelas drogas e armas que ingressam no país via fronteiras.

Além disso, neste ano, o ministro da Defesa já se reuniu com seus homólogos da Bolívia e da Colômbia e o ministro da Justiça firmou recentemente acordo para fortalecer a cooperação policial com o Paraguai. Houve ainda reunião trilateral entre Brasil, Colômbia e Peru.

O incremento dos esforços conjuntos são fundamentais, pois estamos diante de um cenário cujos atores desconhecem completamente quaisquer limites, incluindo fronteiras.

No entanto, o corte nos recursos das Forças Armadas somados à instabilidade na presença de outros atores nas fronteiras como a Polícia Federal, joga por terra todo e qualquer esforço em atacar as organizações criminosas como o PCC e o Comando Vermelho, já presentes em vários países da região.

No ano passado, o mesmo governo que corta recursos, anunciou um aporte de R$ 1,4 bilhão para implementar as ações do Plano Nacional de Segurança. Não tem como as duas informações não criarem um ambiente de dúvidas e preocupação.

Desde 2012, as Forças Armadas têm sofrido cortes e contingenciamentos de recursos. Neste ano, apenas este último já alcança 40% do orçamento da Defesa, o que impactará diretamente na atuação das Forças e na implementação de projetos estratégicos que também têm como propósito, proteger as fronteiras terrestre, aérea e marítima.

Especulações e futuro incerto

Especula-se que o ministério da Defesa teria recursos para manter as Forças funcionando apenas até setembro deste ano e já se fala em redução de pessoal e do expediente e de um possível colapso geral nos meios militares caso essa situação não seja revertida até outubro.

Só para se ter uma pequena ideia do drama, a Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados, vinculada ao Exército Brasileiro, e responsável por fiscalizar e monitorar o uso de explosivos, já perdeu a sua capacidade operacional. Na prática, isso significa não poder impedir o acesso a explosivos por parte das organizações criminosas dedicadas ao roubo de bancos e caixas eletrônicos.

Somente no Distrito Federal, foram 22 ataques a bancos e caixas eletrônicos desde o final do ano passado. O Brasil conta com 23 mil agências bancárias e 170 mil terminais de autoatendimento.

No dia 14 de agosto, no Palácio do Planalto, o presidente da República afirmou aos oficiais-generais promovidos e aos comandantes das Forças Armadas:

“Muitas vezes, tenho tido o privilégio de acompanhar nossos militares em operações em fronteiras remotas do país. Nessas ocasiões, além de constatar o trabalho essencial de defesa da nossa soberania, eu verifico o papel que nossas Forças Armadas desempenham na área social. Levam saúde, educação, serviços básicos a nossos compatriotas nos vários rincões do nosso país. Aliás, para tantos brasileiros, as Forças Armadas são a expressão visível da presença do Estado”.

Apesar da constatação, o corte nos recursos parece irreversível, segundo o ministério do Planejamento.

Diante desse quadro, as Forças estão sendo obrigadas a promover mudanças que comprometem suas operações. A Força Aérea, por exemplo, já havia planejado voar apenas 122 mil horas em 2017, mas será muito se alcançar as 100 mil horas. Já a Marinha se vê obrigada a manter ativos navios com mais de 35 anos de uso, apesar da imensidão da Amazônia Azul e da Bacia Amazônica.

Nas três Forças, todos os projetos estratégicos sofrem com a falta de recursos e muitos poderão simplesmente ser abandonados. Para a alegria da criminalidade organizada.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais