oposicao

A oposição ao novo governo

Imprimir

Na Câmara dos Deputados, a chamada oposição programática ao novo governo, de Michel Temer (PMDB), compreende PT, PDT, PCdoB, PSOL e REDE. Com algumas dissidências declaradas na base governista (Silvio Costa e Cabo Daciollo, ambos do PTdoB), chega-se a 100 deputados federais.

No Senado, em termos partidários, a oposição se restringe a PT, PDT, PCdoB e REDE. No entanto, em muitos casos haverá adesão de integrantes de outros partidos da base, como PSB (Capiberibe e Lídice da Mata), PPS (Cristovam Buarque) e até mesmo PMDB (Roberto Requião), além do senador Antônio Reguffe (Sem Partido-DF), podendo chegar, no limite, aos mesmos 20 votos dados contra o impeachment.

Portanto, não havendo dissidências na base em nenhuma das Casas, a oposição não terá número suficiente para barrar a aprovação de matérias de interesse do governo Temer. Além de ser numericamente inferior, a oposição, principalmente o PT, terá inicialmente dificuldades de construir um discurso alternativo ao presidente Michel Temer.

Apesar do legado social do lulismo, ao qual os petistas costumam fazer referência, o impedimento de Dilma Rousseff deixa uma marca extremamente negativa para a legenda. Sem falar na imagem de corrupção e de descontrole da economia associada ao partido, que trouxe como consequência o aumento do desemprego e da inflação, fazendo crescer fortemente o sentimento antipetista entre a opinião pública.

Além de a maior força de oposição estar fragilizada, os adversários de Michel Temer têm grande dificuldade de formular uma estratégia de ação comum. Com exceção de PT e PCdoB, os demais partidos podem divergir em relação ao modo de atuação frente à gestão Temer.

Assim, no curto prazo, a oposição no Congresso dependerá de eventuais dissidências na base governista para impor derrotas ao Palácio do Planalto.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais