oposicao

Oposição não tem votos para impeachment

Imprimir

A oposição anda preocupada com o rumo do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Faz reunião de emergência com o ex-presidente Fernando Henrique Cardozo, nesta sexta-feira (1), para mapear os votos favoráveis ao impedimento de Dilma. Entre caciques tucanos, a avaliação é que a oposição não tem o número de deputados suficientes para alcançar o quórum de 342 votos para o impeachment.

Lula comanda articulação

O ex-presidente Lula encerra a semana como importante articulador político do governo federal. No início da semana, antes do rompimento do PMDB, deputados e senadores aliados se recusavam a encontrá-lo. Na quinta-feira (31), os parlamentares indecisos procuravam o ex-presidente. Lula, outra vez, socorre a presidente Dilma.

Quem dá mais

Está intensa a oferta de ministérios para os partidos aliados. O senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do PP, se comprometeu com a bancada da Câmara a não aceitar nenhuma pasta até 11 de abril. Pode até não aceitar, mas vem negociando mais espaço no governo Dilma. Após a janela de transferência partidária, o PP chegou a 51 deputados, a terceira maior bancada da Câmara.

Fundos de pensão

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que discute irregularidades nos fundos de pensão apresentará o relatório final em 7 de abril. É o que garante o presidente da CPI, deputado Efraim Filho (DEM-PB).

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais