crise

Para entender a crise fiscal

Imprimir

 

Sob a Constituição de 1988, as prioridades básicas do orçamento federal se tornaram assistência social (AS) e previdência (PREV), seguidas de saúde e educação. Basta comparar o peso dos dois primeiros itens no gasto federal em 2015 com o que ocorria um pouco antes de 1988.

Considerando os benefícios de 1 Salário Mínimo (SM) pagos pelo INSS no primeiro grupo, o peso do item AS teria passado de 3% para 25% (mais de 8 vezes de aumento), e o de PREV, de 13% para 23% (quase duas vezes).

Dadas as regras legais concessivas que definem sua expansão, AS e PREV crescem a taxas elevadas independentemente da evolução da receita, algo obviamente insustentável. Mesmo assim, ao carimbar uma parcela significativa das receitas para ser usada apenas em AS e PREV, criando-se algo novo dentro do quadro geral, os constituintes foram mais longe.

Acabaram montando um grande cobertor financeiro, ainda hoje mais amplo que os gastos nesses segmentos, que materializa, à distância, a garantia de que não faltarão recursos para as prioridades máximas.

Só que, conforme estudo que realizei com colegas em 2012 no âmbito do Fórum Nacional, sem reforma das regras em vigor os gastos em AS e PREV, turbinados por projeções demográficas desfavoráveis, dobrarão em % do PIB até 2040, algo que o suborçamento específico não mais poderá cobrir. Nessa hora, só a volta da hiperinflação daria conta do recado.

Os pesos de educação e saúde se mantiveram mais ou menos inalterados de 1987 para cá, o que não é pouco numa situação em que o gasto total simplesmente explode ao longo dos anos e a fatia dos investimentos – basicamente em infraestrutura — cai de 16% para 3%, um dos fatores básicos explicativos, aliás, da trava que se colocou sobre as perspectivas de crescimento econômico do País.

Para os gastos mínimos em educação e saúde, existe a vinculação a uma parcela das receitas, que deveria frear o crescimento das despesas pelo menos no sentido de não ultrapassar o das receitas específicas. Só que a força política da área fez com que o gasto venha superando mais e mais a disponibilidade de receitas.

Além de manter o pé no acelerador dos gastos prioritários acima mencionados, a grande novidade do governo Dilma foi introduzir outras despesas obrigatórias de peso no orçamento federal, onde antes não havia algo do tipo.

Trata-se dos subsídios financeiros e creditícios via bancos oficiais e os gastos associados ao Programa Minha Casa Minha Vida, entre outros, totalizando 14,4% das despesas de 2015.

Não foi ainda possível destacar no levantamento dos gastos prioritários ou obrigatórios acima citados os dados dos Poderes Autônomos (Legislativo, Judiciário Ministério Público e TCU), a quem a mesma constituição conferiu autonomia administrativa e financeira.

Enquanto isso não é possível, e fazendo referência agora, não mais ao total do gasto, mas à receita corrente líquida (RCL) observada em 2015, verifica-se que o chefe do Poder Executivo dispõe de uma margem muito estreita para pagar os aposentados e pensionistas da União e gerir as finanças dos ministérios desprotegidos por esquemas especiais de proteção financeira. Daí a forte tendência à geração de déficits orçamentários.

Para os segmentos, digamos, privilegiados (assistência, previdência, educação, saúde e outras despesas obrigatórias), o subtotal dos gastos considerados até agora alcançou a marca chocante de 84% da RCL, sobrando apenas 16% do total para bancar os demais.

Estes seriam: inativos e pensionistas (10% da RCL); pessoal ativo exceto educação e saúde (9%); investimento mínimo (3%); e outros gastos correntes discricionários mínimos (6%). Não é por outra razão que o déficit de 2015 alcançou a cifra impressionante de 12% da RCL (algo ao redor de R$ 116 bilhões).

Na sessão de 15/09 do Fórum Nacional, tentarei comparar o que me parece ser a saída do imbróglio atual com o que o governo está propondo para resolvê-lo, incluindo no bolo o problema estadual.

Publicado no Estadão em 08/09

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais