reformas

Três Perguntas: Paulinho da Força e a reforma

Imprimir

A Arko Advice entrevistou o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), presidente da Força Sindical e do partido Solidariedade, sobre a reforma da previdência:

Ao excluir os estados e os municípios da Reforma da Previdência, o governo facilita a aprovação da proposta?

Acho que sim. Era um erro do governo, do nosso ponto de vista, e eu tinha falado isso inclusive com o presidente Temer, sobre trazer para cá um problema que é dos estados. Acho que a Reforma da Previdência nos estados é um problema de cada estado. Quem tem que resolver é o governador, é a Assembleia Legislativa, não o Congresso Nacional. Isso foi acertado.

Agora, a Reforma da Previdência tem mais problemas do que isso. Tem o problema da idade mínima; do tempo de contribuição; das pensões; ou seja, toda uma problemática pela frente em torno da qual o governo tem que sentar e negociar. Estive com o presidente e acho que ele está um pouco disposto a negociar, pelo menos pelo que percebi. Senão a reforma, do jeito que está – e eu tenho dito isso a ele – não passa aqui no Congresso. Porque é muito injusta com os trabalhadores.

Acredita que a CPI da Previdência criada no Senado pode atrapalhar?

Acho que aquela CPI não vai a lugar nenhum. Ali é um “oba oba” que o senador Paulo Paim está fazendo. Eu acho que tem uma série de problemas na Previdência. Tem essa desoneração feita pelo governo Dilma, ou seja, um crime contra a Previdência. Distribuiu para os empresários mais de R$ 60 bi. Acho que isso tem que ser revisto, mas não sei se os partidos vão se interessar em fazer essa CPI numa hora dessa, quando a grande maioria deles está na base do governo. Então, a tendência desses partidos é não indicar membros. O presidente do Senado é uma pessoa alinhada ao governo, portanto, não vai se preocupar com isso. Acho que é uma tentativa do Paulo Paim de impedir a reforma, enquanto nós estamos tentando negociar a reforma.

Com relação à Reforma Trabalhista, qual a perspectiva de aprovação?

Sobre Reforma Trabalhista, minha preocupação não é como ela entrou, é como ela pode sair de lá. Como ela entrou, não tem nenhum problema. Talvez tenha um pequeno ajuste a fazer e a gente está trabalhando para resolver, mas esse não é o grande problema. Acho que a Reforma Trabalhista, se ela vier como entrou, sem muitas modificações, sem muitas emendas, e os deputados quiserem aprovar, acho que ela não encontrará dificuldade de passar na Câmara.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Justiça tem que ser para todos


Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Ler mais

Serie eleições 2018: priorizar o resgate da política.


O principal desafio da sociedade e das instituições, além dos próprios candidatos ao pleito de 2018, é superar a desilusão com a política. É preciso resgatar a importância da principal ou da única forma de resolução dos problemas coletivos fora do emprego da violência.

Ler mais

Por enquanto, espontânea e rejeição é o que interessa nas pesquisas


O alvoroço em torno das pesquisas de intenção de voto se justifica. Afinal, o grau de credibilidade de alguns institutos de pesquisa, como o Datafolha, torna-se um dos poucos referenciais concretos diante do achismo de palpiteiros.

Ler mais