entrevista

Filho de Cunha Lima diz que vota pela autorização da investigação contra Temer

Imprimir

O Blog da Política Brasileira entrevistou o deputado Pedro Cunha Lima (PB), 1º vice-líder do PSDB na Câmara sobre a atual posição do partido com relação à denúncia da PGR contra o presidente, sobre o desembarque tucano e sobre a volta de Aécio Neves.

O PSDB da Câmara tem posição fechada sobre a denúncia contra o presidente Temer?

Ainda não. Até porque, no dia da votação no plenário, não existe propriamente a figura da orientação de bancada. O painel não fica aberto para que as bancadas orientem. O que existe hoje na CCJ é um posicionamento de cada membro que lá está. Não haverá troca de membros e cada um, com a sua consciência, vai avaliar a denúncia e votar de acordo com o que entende. Existe uma divisão clara. Só no dia (da votação) dará para saber. De acordo com o que acontecer nos próximos dias também – isso tem sempre impacto. O que posso falar com precisão é o meu voto, que é pela autorização.

Como fica a posição da bancada com relação à manutenção do apoio ao governo nessa situação?

Tudo o que acreditamos ser bom para o país, como, por exemplo, a Reforma Trabalhista, que está sendo votada no Senado, o PSDB votará a favor. O PSDB compreende que o momento exige reformas e exige alterações. Há de se fazer uma distinção, e isso é até pedagógico para a nossa política, para que a gente não ache que o papel do parlamento e do parlamentar se encerra numa participação no governo. Se estiver participando carimba tudo, se não estiver participando não carimba nada. O PSDB é favorável a algumas reformas, mas também coloca sua visão crítica em outros pontos que o governo apresenta.

Há alguma definição sobre o retorno ou não do senador Aécio Neves à presidência do partido?

Não. É muito recente a volta dele para o Senado. Compreendo que, assim como Michel Temer, assim como qualquer cidadão, o senador Aécio precisa responder ao que está sendo investigado. Enquanto isso, o senador Tasso tem cumprido um bom papel no exercício da presidência do PSDB.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais