economia

Legado de Dilma aos brasileiros

Imprimir

A soberba precede a ruína,

e a altivez do espírito precede a queda.

Provérbios, 16, 18

A presidente Dilma Rousseff tem pouco menos de três anos para evitar ser retratada pela história como a mandatária que malbaratou dois importantes legados erigidos por seus antecessores. Não é muito tempo considerando a atual dimensão do estrago causado à vida econômica e social do país e a imprevisibilidade para calcular o fundo do poço.

Sob a égide de Fernando Henrique Cardoso, então ministro da Fazenda (1993-1994), e do presidente Itamar Franco (1992-1994), um grupo de economistas debelou a inflação (que chegou aos 80% mensais). Quem viveu o período antecedente ao de Itamar, quando a hiperinflação parecia dragão incontrolável e era presença inescapável no angustiante cotidiano das compras, tem a dimensão do que representou a façanha. A iniciativa catapultou FHC à presidência da República por oito anos (1995-2002).

Foi, então, a vez de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). Em seus dois mandatos, Lula seguiu, com maior ou menor vigor, a vereda da estabilidade da economia, alicerçada pelos dois mandatários que o antecederam. Foi além quando empenhou seu capital político na distribuição de renda. Mais do que promover a transposição de milhões de cidadãos da classe E para as subsequentes, D e C, Lula deixou como legado a prioridade estatal com os mais pobres e os miseráveis.

A estabilidade econômica e a distribuição de renda – afora a condução do Estado por civis, obra coletiva e inestimável de uma geração – pareciam estar agregadas como tríade basilar do Brasil contemporâneo, pós-ditadura militar, de forma irrevogável. Pareciam?

Bem, parecem ainda. Mas, a princípio, tudo que é erguido pode ser posto abaixo. Depende, por óbvio, do construtor e dos síndicos a quem caberá preservar a obra. E, no Brasil, em que pese nosso sistema presidencialista híbrido, onde o parlamentarismo bruxuleante resplandece aqui e ali, o presidente é quem decide.

Sim, senhora presidente

Eis que volvemos à mandatária que comanda o país desde 2011. Comandar, para Dilma Rousseff, não é letra morta. Foi ela quem decidiu arriar a taxa básica de juros, a Selic, para vê-la outra vez no pináculo do financismo. Também coube à presidente rebaixar o custo da energia elétrica a níveis popularescos e, pouco depois, resignar-se com o gravame da “conta de luz” novamente no topo do desmazelo inflacionário. Nos dois casos, onerando sobretudo as classes econômicas menos favorecidas, que padecem com a alta do desemprego e da inflação.

Nestes dois tropeços administrativos, a presidente revelou sua personalidade voluntarista e atrabiliária. Diferente do que postula a administração moderna, o contraditório parece não fazer parte de seu dia a dia. Para ser ouvido sem que destemperos fossem lançados de encontro, o cortesão dispunha de um vocativo imposto: “Sim, senhora presidenta”. Quem desdenha da objeção, foge de admoestações pertinentes.

Itamar, mas principalmente Lula e Fernando Henrique, cultivavam diferença vital com Dilma no comando da política econômica. Mais do que seres políticos, todos gostavam de fazer política – viés que, ao que tudo indica, é traço pálido na senhora que ora nos governa.

Num sistema onde o parlamento enxuto, com menos partidos, já é difícil de conduzir, a hodierna proliferação de legendas aos borbotões torna a tarefa coisa de experts. Esta expertise indica que ouvir é predisposição sine qua non na política. Porém, os relatos que se avolumam sugerem que a mandatária não tem essa vocação.

A ausência desse pendor, por exemplo, inibe-a de adotar como rotina o convívio direto com lideranças partidárias. Tivesse essa propensão, ela poderia ter cogitado outra atitude quando esteve no Congresso Nacional em fevereiro desse ano para ler a mensagem do Executivo aos parlamentares.

Obstada, em seu pronunciamento, pela deputada oposicionista Mara Gabrilli, Dilma perdeu a oportunidade de convidar a cadeirante, que angaria múltiplas simpatias, para uma audiência. Não seria um disparate, pois a presidente é líder de um partido que, em busca da hegemonia, acolheu próceres da política suspeitos de praticar malfeitos.

Diante da degradação política, econômica e social, conjunção nunca antes vista na história da República, há que se esperar reação inédita. Três anos podem ser pouco para obliterar por completo as mazelas que se abatem sobre o país. Esse tempo, no entanto, pode ser suficiente para preservar conquistas que já deveriam estar incorporadas ao ideário de uma nação democrática e em busca da igualdade de oportunidades e direitos para todos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais