politica

A arte de montar grupos e diluir o poder

Imprimir

No Reino Unido dos anos 80, o poder da primeira-ministra Margaret Thatcher era enorme. À medida que ela colocava os sindicatos contra a parede e liderava com desenvoltura uma “reforma liberal” no país, sua fama ultrapassava fronteiras. Seu principal rival político na época era Michael Heseltine. Heseltine foi ministro da Defesa de Thatcher, mas as principais diferenças entre os dois residiam na economia.

Certa vez, em meados de 1985, Thatcher recebeu um membro do parlamento que lidava bem tanto com a primeira-ministra quanto com Heseltine. “Primeira-Ministra, o ministro Heseltine estava com alguns colegas e amigos em sua residência dizendo que a senhora estava cada dia mais fraca, e certamente acabará sozinha este governo.” Thatcher respondeu: “Querido, mal sabe Heseltine que ele não tem amigos. Antes de serem amigos e colegas dele, são meus amigos e meus subordinados.”

Na política não existem amizades, podem existir parcerias que eventualmente se transformam em amizades.

Em Brasília, o mesmo se aplica. No entanto, não há um só político na Praça dos Três Poderes com a força individual de uma Thatcher. Sendo o Brasil um país de relacionamentos e onde os círculos de poder valem mais que a institucionalidade, não devemos nos surpreender com o fato de vários de nossos políticos resistirem ao tempo, a acusações, a boicotes e à rejeição popular. A construção de seus círculos ou, suas “turmas”, é o que muitas vezes define o quão sólido é o poder de um indivíduo sobre o outro.
Lula, por exemplo, tinha Gilberto Carvalho, Palocci (sim, Palocci), José Dirceu, Jaques Wagner entre alguns outros como membros de sua entourage.

Já o atual presidente Michel Temer tem em seu grupo mais próximo, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Elcinho Mouco, Márcio Freitas, Gaudêncio Torquato, Beto Mansur e Romero Jucá como aqueles com quem mais dialoga e os que mais participam de decisões envolvendo o governo.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também criou um círculo de confiança que aumenta sua capacidade de influência dentro da Câmara dos Deputados. Heráclito Fortes, Orlando Silva, Alexandre Baldy, Benito Gama e José Carlos Aleluia são alguns da “turma” de Maia.

Renan Calheiros é um caso emblemático na habilidade de criar turmas suprapartidárias. Ele sempre sobreviveu justamente por essa capacidade e pela diversidade do primeiro nível de confiança que montou. Não é à toa que Lula já se reaproximou de Renan visando não só a influência que senador ainda tem no Nordeste, mas o apoio de pessoas que “pertencem” ao ex-presidente do Senado. Mesmo que esses tenham votado a favor do impeachment, não fará diferença para o ex-presidente Lula.

Legal e ilegal

Outros nomes, no entanto, por mais que sejam indiscutivelmente forças individuais, não conseguiram ou buscaram ou compreenderam a dinâmica de se diluir parte do poder entre pessoas próximas. Não devemos confundir “não ter uma turma” com ter integridade e “ter uma turma” com a prática da ilegalidade, pois um político pode sempre buscar pessoas fortes e íntegras para compor seu grupo.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é um que não possui a influência informal ou construiu uma “turma” capaz de aumentar seu poder político perante grupos não ligados a área econômica. Pode ser que esteja formando uma agora ou passe a integrar um grupo já formado.

Dilma é um exemplo interessante. Enquanto ministra, fazia parte do grupo de confiança do presidente Lula. Com a queda de popularidade às portas das eleições de 2014 e a pressão de vários membros do PT para que ela cedesse a vaga para o próprio Lula, Dilma deixou de integrar a “turma” do ex-presidente no início de 2015. Buscou montar a sua própria com Mercadante, Pepe Vargas, Arno Augustin entre outros.

Escala de poder no PMDB

Entre os pemedebistas, a lógica de turmas, feudos ou grupos é mais fácil de ser observada. O ex-presidente José Sarney foi, provavelmente, o fundador da versão moderna dos grupos que existe entre os poderosos em Brasília. Decorrente dele, Renan, Temer, Eduardo Braga (regionalmente), Jader Barbalho, Roberto Requião (regionalmente) e Eunício Oliveira (regionalmente) foram todos capazes de fortalecer-se com base em seus grupos. Para aqueles que conseguiram destaque nacional, mas possuem um poder essencialmente regional, como é o caso de Eduardo Braga, Requião e de Eunício Oliveira, a possibilidade de passar a ter poder nacional diminui, a não ser que passem a integrar o grupo de alguém mais poderoso e influente. Dificilmente liderarão um grupo de projeção nacional, tendo, possivelmente atingido seus ápices na carreira política.

Thatcher nunca viu Heseltine como uma ameaça, pois julgava que a influência dele jamais se materializaria em atos contra ela. Sua visão era de que qualquer um que fosse próximo a ele, era certamente mais próximo dela. Em 1990, na disputa pela liderança do Partido Conservador, foi justamente Heseltine que impediu a vitória de Thatcher.

Naquela situação, Heseltine consegui gerar um alto nível de traição entre aliados de Thatcher que se converteram ao seu lado pouco antes da votação. Por mais que logo depois Heseltine tenha perdido a liderança do partido para John Major, que se tornou primeiro-ministro (e o nomeou vice-primeiro-ministro), ele se sentiu vingado. Nunca formou a sua própria turma, mas destruiu parte da que Thatcher pensava haver formado durante os anos 80.

Publicado na GQ em 13/11/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais