politica

A arte de montar grupos e diluir o poder

Imprimir

No Reino Unido dos anos 80, o poder da primeira-ministra Margaret Thatcher era enorme. À medida que ela colocava os sindicatos contra a parede e liderava com desenvoltura uma “reforma liberal” no país, sua fama ultrapassava fronteiras. Seu principal rival político na época era Michael Heseltine. Heseltine foi ministro da Defesa de Thatcher, mas as principais diferenças entre os dois residiam na economia.

Certa vez, em meados de 1985, Thatcher recebeu um membro do parlamento que lidava bem tanto com a primeira-ministra quanto com Heseltine. “Primeira-Ministra, o ministro Heseltine estava com alguns colegas e amigos em sua residência dizendo que a senhora estava cada dia mais fraca, e certamente acabará sozinha este governo.” Thatcher respondeu: “Querido, mal sabe Heseltine que ele não tem amigos. Antes de serem amigos e colegas dele, são meus amigos e meus subordinados.”

Na política não existem amizades, podem existir parcerias que eventualmente se transformam em amizades.

Em Brasília, o mesmo se aplica. No entanto, não há um só político na Praça dos Três Poderes com a força individual de uma Thatcher. Sendo o Brasil um país de relacionamentos e onde os círculos de poder valem mais que a institucionalidade, não devemos nos surpreender com o fato de vários de nossos políticos resistirem ao tempo, a acusações, a boicotes e à rejeição popular. A construção de seus círculos ou, suas “turmas”, é o que muitas vezes define o quão sólido é o poder de um indivíduo sobre o outro.
Lula, por exemplo, tinha Gilberto Carvalho, Palocci (sim, Palocci), José Dirceu, Jaques Wagner entre alguns outros como membros de sua entourage.

Já o atual presidente Michel Temer tem em seu grupo mais próximo, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Elcinho Mouco, Márcio Freitas, Gaudêncio Torquato, Beto Mansur e Romero Jucá como aqueles com quem mais dialoga e os que mais participam de decisões envolvendo o governo.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também criou um círculo de confiança que aumenta sua capacidade de influência dentro da Câmara dos Deputados. Heráclito Fortes, Orlando Silva, Alexandre Baldy, Benito Gama e José Carlos Aleluia são alguns da “turma” de Maia.

Renan Calheiros é um caso emblemático na habilidade de criar turmas suprapartidárias. Ele sempre sobreviveu justamente por essa capacidade e pela diversidade do primeiro nível de confiança que montou. Não é à toa que Lula já se reaproximou de Renan visando não só a influência que senador ainda tem no Nordeste, mas o apoio de pessoas que “pertencem” ao ex-presidente do Senado. Mesmo que esses tenham votado a favor do impeachment, não fará diferença para o ex-presidente Lula.

Legal e ilegal

Outros nomes, no entanto, por mais que sejam indiscutivelmente forças individuais, não conseguiram ou buscaram ou compreenderam a dinâmica de se diluir parte do poder entre pessoas próximas. Não devemos confundir “não ter uma turma” com ter integridade e “ter uma turma” com a prática da ilegalidade, pois um político pode sempre buscar pessoas fortes e íntegras para compor seu grupo.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é um que não possui a influência informal ou construiu uma “turma” capaz de aumentar seu poder político perante grupos não ligados a área econômica. Pode ser que esteja formando uma agora ou passe a integrar um grupo já formado.

Dilma é um exemplo interessante. Enquanto ministra, fazia parte do grupo de confiança do presidente Lula. Com a queda de popularidade às portas das eleições de 2014 e a pressão de vários membros do PT para que ela cedesse a vaga para o próprio Lula, Dilma deixou de integrar a “turma” do ex-presidente no início de 2015. Buscou montar a sua própria com Mercadante, Pepe Vargas, Arno Augustin entre outros.

Escala de poder no PMDB

Entre os pemedebistas, a lógica de turmas, feudos ou grupos é mais fácil de ser observada. O ex-presidente José Sarney foi, provavelmente, o fundador da versão moderna dos grupos que existe entre os poderosos em Brasília. Decorrente dele, Renan, Temer, Eduardo Braga (regionalmente), Jader Barbalho, Roberto Requião (regionalmente) e Eunício Oliveira (regionalmente) foram todos capazes de fortalecer-se com base em seus grupos. Para aqueles que conseguiram destaque nacional, mas possuem um poder essencialmente regional, como é o caso de Eduardo Braga, Requião e de Eunício Oliveira, a possibilidade de passar a ter poder nacional diminui, a não ser que passem a integrar o grupo de alguém mais poderoso e influente. Dificilmente liderarão um grupo de projeção nacional, tendo, possivelmente atingido seus ápices na carreira política.

Thatcher nunca viu Heseltine como uma ameaça, pois julgava que a influência dele jamais se materializaria em atos contra ela. Sua visão era de que qualquer um que fosse próximo a ele, era certamente mais próximo dela. Em 1990, na disputa pela liderança do Partido Conservador, foi justamente Heseltine que impediu a vitória de Thatcher.

Naquela situação, Heseltine consegui gerar um alto nível de traição entre aliados de Thatcher que se converteram ao seu lado pouco antes da votação. Por mais que logo depois Heseltine tenha perdido a liderança do partido para John Major, que se tornou primeiro-ministro (e o nomeou vice-primeiro-ministro), ele se sentiu vingado. Nunca formou a sua própria turma, mas destruiu parte da que Thatcher pensava haver formado durante os anos 80.

Publicado na GQ em 13/11/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais

Governabilidade do próximo presidente: condições e pressupostos


A palavra governabilidade refere-se às próprias condições substantivas ou materiais de exercício do poder e de legitimidade do Estado e do seu governo, ambas derivadas da postura governamental diante da sociedade civil e do mercado. Nessa perspectiva, a governabilidade diz respeito à autoridade política do Estado em si, entendida como a capacidade que este tem para agregar os múltiplos interesses dispersos pela sociedade e apresentar-lhes um objetivo comum para os curto, médio e longo prazos, e depende da relação entre a autoridade e as instituições de governo, bem como do poder das instituições que a ele se opõem. Assim, a governabilidade estará ou não presente na medida em que haja apoio às políticas do governante e à sua capacidade de articular alianças e coalizões/pactos entre os diferentes grupos sócio-políticos para viabilizar o seu projeto de Estado e sociedade, conferindo-lhe legitimidade para implementar políticas. Para garantir a governabilidade, e evitar a paralisia ou o colapso das instituições e dos serviços públicos, é indispensável quatro tipos de estabilidade:  política, social, financeira e de gestão. A primeira estabilidade – a política – é crucial, pois tem relação direta com a legitimidade do governo. Ela depende, além da aceitação do resultado eleitoral, de apoio no Poder Legislativo, o lócus onde se forma a vontade normativa do Estado e o foro legítimo e apropriado para a solução das demandas da sociedade a serem traduzidas na forma de lei e de políticas públicas. Uma boa relação com o Poder Legislativo é fundamental porque quando o Congresso dispõe de agenda própria e diverge majoritariamente do programa do presidente eleito, e, no sistema político brasileiro, o Chefe do Poder Executivo só tem três alternativas: a) concordar com as propostas do Congresso, fazendo-as suas; b) obedecer, ou seja, aceitar a contragosto o que for aprovado, até porque o Congresso […]

Ler mais