brasil-politica

Ponta de faca

Imprimir

Ao contrário da história dos Estados Unidos, nunca existiu no Brasil pensamento político hegemônico que orientasse caminhos e ditasse comportamentos. Lá, os pioneiros, fugidos da perseguição religiosa, decidiram criar uma sociedade aberta, democrática, igualitária, composta por homens e mulheres brancos, que desfrutariam de liberdade de credo e elegeriam um administrador, para substituir a figura do Rei, com mandato determinado. Assim surgiu a figura do presidente.

O penoso processo de integração racial nos Estados Unidos decorre deste pensamento hegemônico. A sociedade era branca e escravagista. Não havia intermediação. Lincoln, sempre muito festejado como também um dos fundadores da pátria, propôs a criação de um país na África para receber negros retornados. Ajudou a criar a Libéria. Mais tarde percebeu que não havia escapatória ao processo de integração, que até hoje é difícil, conflituoso e agressivo. Apesar de o presidente Obama ser negro.

O Brasil foi colônia de Portugal. Era um pedaço de terra protegido por todos os lados. A colônia só podia fazer comércio com a matriz. A terra dos papagaios era o local para onde os portugueses vinham sozinhos, se amasiavam com índias ou negras, e posteriormente retornavam milionários a Lisboa. Era o local onde não havia pecado, nem pessoal nem social. O fundamental era contornar as normas ditadas pelo Reino, fazer contrabando, comerciar minérios, ou escravos. Enfim fazer fortuna. A história do Brasil é essa. A transformação da colônia em país independente não conseguiu enfrentar a história.

O Brasil continua a ser uma sociedade a ser saqueada, roubada e abandonada. Os políticos nunca se entenderam quanto ao modelo de sociedade. O Império consolidou as fronteiras nacionais e enfrentou a guerra do Paraguai. O país independente ficou maior do que a colônia. D. Pedro II permaneceu no poder por mais de 48 anos. Morreu em Paris, deposto, junto de familiares, de sua amiga mais íntima a Condessa de Barral, com notáveis dificuldades financeiras. Foi enterrado na capital francesa com honras de chefe de estado. Antes, sua filha assinou a Lei Áurea.

A República é, no Brasil, um desfilar de crises. Ela foi proclamada por militares descontentes com a relação do Imperador com o exército. Os dois primeiros presidentes da República foram oficiais de alto escalão. Problemas se sucederam, mas a exportação de café conseguia contorna-los. A queda da bolsa de Nova Iorque de 1929 levou o país à falência. Neste cenário surge Getúlio Vargas que dominou a cena política até o fim da Segunda Guerra. Criou o sindicalismo no país. Voltaria ao poder pela via eleitoral nos anos cinquenta. Caiu depois que foi pego em transações políticas pouco elogiáveis. Há controvérsias até hoje. Seu herdeiro político, Jango, chegou ao poder depois da renúncia de Jânio. A agenda daquela época era muito semelhante à da ex-presidente Dilma Rousseff.

As ideias sindicalistas, chamadas de esquerdistas, não mudaram em nada nas últimas décadas. Ganharam mais ou menos cor vermelha, mas no fundo permaneceram idênticas. Há perigosa identidade entre as propostas de Jango e de Dilma Rousseff. Os dois caíram. Um pela força das armas, outra pelo impeachment. A experiência política da esquerda no Brasil deveria ser reavaliada. O Partido dos Trabalhadores chegou ao poder e se lambuzou todo. Desfrutou dos melhores vinhos, dos melhores hotéis, utilizou verbas federais, estaduais e até municipais para sustentar a farra. Resultado: antes da eleição, detinha 638 prefeituras e comandava 38 milhões de pessoas. Agora, tem 254 e mantém poder sobre apenas 5,9 milhões de indivíduos.

O desastre da esquerda no Brasil não é apenas fracasso do Partido dos Trabalhadores. É uma debacle para o pensamento de vanguarda. O processo de redemocratização em Portugal e na Espanha foi alcançado por intermédio de partidos de esquerda e direita que conseguiram avançar no processo democrático. Aqui, ao contrário, a busca da hegemonia impediu a realização de acordos verdadeiramente programáticos que resultassem em proveito de toda a sociedade.

O presidente Lula não foi convidado a participar de nenhum comício no segundo turno. A ex-presidente Dilma Rousseff não votou em Porto Alegre porque não tinha candidato. Os dois se tornaram apêndices em processo político de que foram protagonistas. É uma tragédia política abissal. Demonstra que o inconsciente coletivo aponta para um caminho no Brasil. Bater de frente com este ensaio de pensamento político significa derrota certa. É dar soco em ponta de faca.

Publicado no Correio Braziliense em 05/11/2016.

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais