ajuste

Posição honrosa

Imprimir

Consultoria técnica especializada norte-americana fez uma previsão interessante: no ano 2050 a maior economia do mundo será a da China. Em segundo lugar estará a Índia e em seguida, os Estados Unidos. Na quarta colocação aparece a Indonésia e no quinto lugar figura o Brasil. Os quatro primeiros são países do oceano Pacífico. O Brasil é o único representante do Atlântico neste top five.

O estudo vai mais longe e aponta a Rússia em sexto, o México em sétimo, Japão no oitavo lugar. Alemanha e Reino Unido ficam com o nono e o décimo lugares. Definitivamente, com a honrosa exceção dos brasileiros, os países do Atlântico estão perdendo importância.

A Europa, com sua imponência e história, está vendo a banda passar. E a Índia, que já foi colônia inglesa, poderá assumir o papel de matriz. Ela deverá ser o motor da economia britânica.

Previsões são lançadas para confundir, provocar ansiedade e usualmente não resultam em nada de proveitoso. No mais das vezes revelam-se erradas. Essa é interessante porque pega a maré montante da economia internacional.

Os países da área do Pacífico ostentam níveis elevadíssimos de crescimento econômico, com a China à frente. Não se presta muita atenção na Índia por causa de seus desequilíbrios históricos. No entanto, o país apresenta notável desenvolvimento na área de tecnologia, indústria forte e domina o ciclo nuclear. Possui bomba atômica e míssil capaz de lançá-la.

A presença do Brasil em posição de relevo entre os dez maiores surpreende. Será difícil chegar a 2050 com o produto interno bruto ao redor de oito trilhões de dólares. Para efeito de comparação a Argentina figura em 21º lugar na lista ao lado da Austrália. Entre os latinos, o Brasil deverá liderar com tranquilidade.

Mas para que isso aconteça, algumas ações precisam ser adotadas em Brasília e nas principais capitais estaduais do país. O presidente Temer indicou o senador Aloysio Nunes Ferreira para Ministro de Relações Exteriores. Ajuda a este objetivo. O paulista já viveu na Europa, foi exilado em Paris, conhece política e entende o que se passa no planeta. Não é neófito.

Osmar Serraglio, PMDB/PR, é parlamentar escolado, vivido, viajado e veterano de vários mandatos. Tem plenas condições de exercer as funções de Ministro da Justiça. Não é segredo para ninguém que a partir da próxima semana vai começar a pipocar nos noticiários da imprensa trechos das delações premiadas.

Os políticos estão no centro de uma gigantesca frigideira. Alguns não vão escapar. Outros serão chamuscados pela história. Marcelo Odebrecht, terceira geração da família no comando da empresa, transformou-se no acusador geral da República. Ele pagou as contas da política brasileira. Sabe para quem, quando e como.

Especulações em Brasília transitam em diversas variantes, latitudes e longitudes. O presidente Temer naturalmente está contra a parede, porque seus principais auxiliares foram atingidos por doença ou acusações originárias das investigações procedidas pelo pessoal da Lava-Jato.

No entanto, o presidente sabe lidar com o Congresso e mantem folgada maioria nas duas casas. Tem driblado as crises com aparente serenidade. Não se excedeu, não se irritou, nem perdeu a medida das suas obrigações.

Neste sentido, o presidente Temer tem se mantido no nível de seus desafios. Até agora o país caminha em paz apesar dos notórios desentendimentos na área política. O antigo tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, Delúbio Soares, foi condenado, de novo, agora a pena de cinco anos.

Poderá recorrer em liberdade. Mais um nome do PT desaba. A ex-presidente Dilma nega, com veemência, as declarações de Marcelo Odebrecht. Ela melhor faria se ficasse calada. Cada nota oficial sua provoca mais desmentidos e problemas colaterais.

A conjuntura brasileira não é fácil para ninguém. Veteranos ou principiantes. Inquéritos pipocam em todos os quadrantes. Muita gente na linha de tiro, um governo pleno de dificuldades, mas, ao contrário das expectativas nacionais, os estrangeiros, que conhecem bem o Brasil, apostam no país. É contraditório.

Nos últimos cinquenta anos, foi uma das economias que mais cresceu. A modificação da vida no território nacional é notável. Imensas glebas foram incorporadas ao mercado. O agronegócio transformou-se em luminosa realidade, indústrias começaram a produzir em diversos estados brasileiros.

A crise recente, que produziu um desemprego gigantesco, tem explicações objetivas. Obtusidade córnea dos dirigentes. Se o governo não atrapalhar, prepare um bom champanhe para comemorar no réveillon de 2049. É o que dizem os norte-americanos.

Publicado no Correio Braziliense em 03/03/2017

 

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais