economia

Prefeitos querem derrubar vetos à Reforma do ISS

Imprimir

Em dezembro do ano passado, o presidente Michel Temer sancionou, com vetos, a Lei Complementar nº 157/16, que reforma o Imposto sobre Serviços de qualquer natureza (ISS). O texto fixou em 2% a alíquota mínima do imposto, na tentativa de acabar com a guerra fiscal entre os municípios, e ampliada a lista de serviços alcançados pelo tributo.

Temer vetou uma das principais mudanças aprovadas pela Câmara: a cobrança do tributo onde a operação ocorreu em casos específicos, como cartão de crédito ou débito e de factoring (aquisição de direitos de crédito) ou leasing (arrendamento mercantil). Se a mudança tivesse sido mantida pelo presidente, as operações poderiam ser tributadas pelo município em que são feitas ou segundo o domicílio do tomador da operação, e não no município sede da administradora do cartão ou da empresa financeira. Com o veto, a regra geral para a cobrança do imposto continua a ser a cobrança no local do estabelecimento que presta o serviço.

Há uma demanda dos prefeitos para que os vetos sejam derrubados. O líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), está propenso a liberar a bancada, caso sinta que o plenário esteja pendendo para a derrubada do veto.

O governo resiste à pressão e a Casa Civil é favorável à manutenção. Outras entidades estão se mobilizando nessa direção, como a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF). O assunto será defendido pelos prefeitos na marcha que eles promovem esta semana em Brasília.

MP do Refis sob risco

Medida Provisória nº 766/17, que institui o Novo Refis, tem sido alvo de grandes divergências e corre o risco de perder a validade.

A Comissão Mista que analisa a matéria aprovou o parecer do relator, deputado Newton Cardoso (PMDB-MG), em clima de confronto. O voto do relator sequer chegou a ser lido.

A manobra para a aprovação do texto fez com que até mesmo membros da base contestassem a votação por desacordo com as normas regimentais. O presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), atendeu à contestação dos deputados governistas e determinou a volta da matéria à Comissão Mista para nova votação.

Outro aspecto fundamental: o parecer não conta com o apoio do governo. A visão palaciana é de que o relator pesou a mão. Nos bastidores, cogita duas hipóteses: aprovar o texto inicial da MP ou deixar “caducar”. O prazo final para a aprovação da proposta é dia 1º de junho.

Contribui para tal solução o fato de o governo entender que a MP cumpriu seu papel. O número de adesões ao programa até aqui teria sido satisfatório. A partir desse momento o fluxo seria menor e não justificaria sua manutenção.

Confirmando-se a perda de eficácia da MP, os efeitos produzidos durante sua vigência permanecem válidos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Reflexões sobre tendências do próximo Congresso


Salvo mudanças inesperadas no humor do eleitorado, a tendência será de reeleição entre 60% e 70% da atual Câmara dos Deputados – um dos mais altos das sete últimas eleições – o que poderá levar para a próxima legislatura as práticas e os vícios da atual composição legislativa.

Ler mais

A salvação de Lula interessa a muita gente. E pode vir pelo STF


Duas circunstâncias distintas concorrem para livrar o ex-presidente Lula da prisão. Uma delas passa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mais exatamente pelo juiz Dias Toffoli. Outra, pelos inúmeros suspeitos graúdos de rapinarem o erário…

Ler mais

O banco de reservas Petista


A condenação de Lula em segunda instância, de maneira unânime, pelo TRF-4, inviabiliza o caminho do ex-presidente ao Palácio do Planalto. O PT tem traçada a estratégia de manter a candidatura de Lula até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impedi-lo de disputar o Planalto novamente, como preveem

Ler mais