politica

Protestos: para o governo, poderia ter sido muito pior

Imprimir

Os protestos realizados neste domingo em mais de dez capitais não representaram maiores danos para o presidente da República, Michel Temer. As críticas concentraram-se no presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que virou réu de ação penal no STF. No Congresso Nacional, devido à votação do pacote de medidas anticorrupção. E na defesa da continuidade da Operação Lava-Jato.

Temer já havia sido poupado de vaias durante o velório coletivo dos atletas da Chapecoense. O evento, extremamente delicado por causa da comoção mundial que a tragédia causou, ocorreu no último sábado. Temendo uma reação negativa, o presidente cogitou não comparecer. Primeiramente ele participaria de uma cerimônia reservada no aeroporto com familiares das vítimas. No entanto, o possível não comparecimento gerou uma reação ainda pior. Além de Temer, Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho e Leonardo Picciani, do Esporte, também vieram a Chapecó, juntamente com o comandante da FAB.

Protestos pós-impeachment

O retorno da população às ruas, embora numa intensidade bastante inferior ao registrado em 2013 e nos eventos que turbinaram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, deve ser visto como um alerta para o Palácio do Planalto. Há de se considerar, principalmente, o grau de insatisfação da população com a crise econômica e a tentativa de desconfiguração do pacote anticorrupção por parte da Câmara.

As manifestações abrem uma oportunidade para Temer ganhar pontos com as ruas. Político experiente e hábil negociador, ele deverá a assumir a linha de frente e fazer o possível para derrotar as modificações do pacote anticorrupção no Senado. Diante desse ambiente, o espaço para o Congresso continuar debatendo agendas contra o Ministério Público vão diminuir.

No cenário atual, o Planalto tem procurado evitar o surgimento de eventos que representam mais focos de instabilidade política. As medidas do ajuste continuarão avançando. A PEC dos Gastos deverá ser aprovada ainda neste ano.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A salvação de Lula interessa a muita gente. E pode vir pelo STF


Duas circunstâncias distintas concorrem para livrar o ex-presidente Lula da prisão. Uma delas passa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mais exatamente pelo juiz Dias Toffoli. Outra, pelos inúmeros suspeitos graúdos de rapinarem o erário…

Ler mais

O banco de reservas Petista


A condenação de Lula em segunda instância, de maneira unânime, pelo TRF-4, inviabiliza o caminho do ex-presidente ao Palácio do Planalto. O PT tem traçada a estratégia de manter a candidatura de Lula até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impedi-lo de disputar o Planalto novamente, como preveem

Ler mais