brasil-politica

Queermuseu: é proibido protestar

Imprimir

Uma das formas de acabar com as escaramuças em torno da exposição Queermuseu, patrocinada e depois cancelada pelo Santander, em Porto Alegre, é decretar a proibição de protestos. Subverter-se-ia os versos de Caetano Veloso no redivivo 1968, cujos ecos são cada vez mais sonoros.

Acostumado a bater, o movimento que tomou a frente dos protestos contra provocativa arte contemporânea exposta aos viventes gaúchos apanhou bastante. Desta vez, no entanto, uniu a esquerda conservadora e porções da direita liberal.

De um lado, uma multidão anônima nas redes sociais em apoio ao boicote à exposição. Do outro, coro de vozes ampliado pela intelectualidade e mídia militantes.

O escarcéu deste último grupo teve maior alcance. O ataque predominante taxou a atitude do movimento como “censura”. Certamente não experimentaram as tesouras dos censores da ditadura militar, aquela que não admitia contestação.

Censura, na acepção que foi empregada, é ato de força. Ato de força não houve; houve protesto e estímulo ao boicote.

Ocorre que “protesto” e “boicote” são terminologia sem conotação negativa. Já “censura” remete a regimes de força, arbitrários. Prevaleceu o discurso ambidestro, segundo o qual, a depender da origem, protestar passa a ser censurar.

Autoritarismo liberal

Em meio à miríade de análises sobre o sucedido, a escrita pelo economista Joel Pinheiro da Fonseca (“Autoritarismo liberal”, na versão impressa) descreve um elo comum entre o que ainda alcunhamos, por falta de definição mais precisa, de esquerda e de direita. “A direita aprendeu direitinho com a esquerda como fazer militância agressiva”, escreveu.

O autor, “libertário” e “de direita”, sugere em tom crítico que o MBL adotou as práticas há muito conhecidas da esquerda. “A mesma esquerda que faz protesto contra filmes, livros, músicas e até piadas consideradas ofensivas agora prova do seu próprio veneno”. Bingo.

O PT, condutor da esquerda brasileira e adversário figadal do MBL, nasceu com três características vistosas: (1) convicções arraigadas e definitivas, (2) atávica capacidade de mobilização e (3) combate intransigente à corrupção. Tirante esta última, que virou letra morta, as outras duas rebrotam com intensidade agora que as ruas e o Parlamento forçaram o caminho de volta à oposição.

Se a concepção da gestão de Estado posiciona ambos nos extremos ideológicos, o modus operandi os aproxima. Fazer barulho e criar celeuma em cima de crenças irretorquíveis de seitas partidárias.

O desconforto dos que se incomodam com quem se incomoda com a dita arte contemporânea resvala para a intransigência e, por vezes, o autoritarismo. O direito que artistas engajados têm de provocar e transgredir é o mesmo de quem se sente ofendido de rebater o conteúdo que considerem ofensivo.

Democracia encruada

Em vez de desfazer do boicote, os críticos dos críticos deveriam valer-se da polêmica gerada pelo confronto de visões para aprofundar o debate – sem desqualificações erigidas em palavras de ordem vazias. Afinal, ela gerou visibilidade e debate em rede.

A arte exposta em Porto Alegre perturbou os ânimos de multidões? Mas não é isto que almeja a arte engajada?

Basta, então, empacotar as telas e realocá-las noutro lugar. De preferência, sem patrocínio do contribuinte.

Não se duvide de que multidões acorrerão aos salões expositores. Para novas vaias e loas. Democraticamente.

A velha direita, engravatada e envergonhada, deu lugar a uma nova, debochada e escancarada. Assim como a esquerda assume com desenvoltura suas concepções, a nova direita não tem medo de ser direita.

Persistir na desqualificação pobre e repetitiva, além de nada acrescentar ao confronto entre duas visões representativas de nossos tempos, privará o eleitor do debate pautado pela razão, produto rarefeito em terras brasilianas.

Melhor o debate pela força das ideias do que pela lâmina afiada das baionetas. Quem experimentou o infortúnio dos autoritarismos sabe a dor lancinante que elas provocam.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais