politica

Reforma a prestação

Imprimir

O presidente Michel Temer deixou a maior parte da reforma ministerial para o ano que vem. Um ensaio programado para a semana passada, trocando Antônio Imbassahy por Carlos Marun, na Secretaria de Governo, não emplacou. Ficou para os próximos dias.

O presidente estava convencido de que, ao invés de esperar que o PSDB deixasse o governo, passando para a opinião pública uma ideia de rejeição, o melhor seria despachar os tucanos. Outro movimento positivo, imaginou-se, seria substituir de uma só vez os 17 ministros que deixarão o governo para se candidatar em 2018.

Em vez de aguardar a virada do ano, perder o mês de janeiro de recesso parlamentar e concentrar as mudanças em março, melhor seria dar uma só cartada – “Ano novo, governo novo!”, o velho slogan socorreria o Planalto, e se ganharia tempo para cuidar da gestão, sem as atrapalhações da política.

Entre outras vantagens, a antecipação da reforma ministerial daria posse aos representantes do Centrão, grupo de partidos políticos de quem Temer tornou-se mais devedor depois da rejeição das duas denúncias de corrupção que a PGR enviou ao plenário da Câmara.

Obstrução tucana

A manobra, que parecia nascida do bom senso, foi obstruída por uma ponderação do senador Aécio Neves junto ao presidente – se os tucanos deixassem o governo antes da convenção que elegerá o novo presidente do PSDB, no início de dezembro, seria uma demonstração de fraqueza para a chapa do governador de Goiás, Marconi Perillo, apoiada pelo senador mineiro e parceiro de Temer.

Na semana passada, o fato de Imbassahy ter sido informado pela mídia sobre sua saída do governo azedou um clima que já vinha tenso. O deputado baiano é de um apreço absoluto ao presidente, a quem tem mais apego do que ao seu próprio partido.

O fortalecimento do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, é outro fator que contribuiu para trocar a reforma ministerial no atacado pela reforma no varejo. Hoje, é ele quem tem mais influência nos próximos passos a serem dados como forma de obter êxito na Reforma da Previdência. Nos pouco mais de 20 dias que faltam para o recesso, talvez seja possível substituir até um máximo de três ministros. Dificilmente mais do que isso.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para vencer, Haddad precisa virar 10 milhões de votos em Bolsonaro


Se quiser ocupar o 3º andar do Palácio do Planalto a partir de 2019, Fernando Haddad (PT) precisará convencer 10 milhões de eleitores que tencionam votar em Jair Bolsonaro (PSL) a mudar de lado. O cálculo é baseado na última pesquisa do Datafolha de intenção de voto divulgada nesta quarta

Ler mais

De acordo com Ibope e Datafolha, eleitores apoiam a Velha Política


Pelo visto, o eleitor está satisfeito com os velhos políticos. Pesquisas de intenção de voto – tanto as majoritárias (abundantes) quanto as proporcionais (escassas) – apontam que políticos de velha cepa continuarão no comando dos executivos estaduais e das assembleias legislativas.

Ler mais

Datafolha e Ibope calculam 48 milhões eleitores pensando


As duas últimas pesquisas de intenção de voto do Datafolha (02/10) e Ibope (29-30/10) indicaram nova redução no número de eleitores pensando. São votantes que, na pesquisa espontânea, votam branco, nulo, não sabem ou não responderam.

Ler mais