previdencia

Um Houdini no Planalto? Michel Temer terá que fazer mágica

Imprimir

Em 1911, o mágico húngaro-americano Harry Houdini executou sua “mágica” mais inusitada até aquele momento. Um animal – que até hoje não se sabe exatamente o que era – surgiu no litoral do estado de Massachussetts. Com mais de 650 quilos, já estava em decomposição. Era visualmente grotesco e gerava ânsias de vômito em quem chegava perto. No auge de sua fama, o célebre ilusionista entrou no estômago do bicho algemado e com as pernas presas. O monstro, coberto de correntes, fedia como nunca, levando a plateia de 1500 espectadores a nausearem enquanto observavam o feito.

Sendo Houdini, o desfecho não poderia ter sido outro senão o sucesso. Apesar de quase falecer envenenado no estômago da besta, o genial mágico conseguiu sair, para delírio daqueles poucos, mas animados curiosos (e jornalistas, claro) que já estavam esperando o pior. Foi muito aplaudido.

A mágica independe do aplauso

Brasília está muito distante de ser a Boston onde Houdini apresentou uma de suas mais inesperadas “mágicas”, no entanto, várias similaridades podem ser encontradas. Certamente o presidente Michel Temer não é nenhum Houdini em termos de popularidade, porém, já demonstrou que consegue executar algumas “mágicas” além da expectativa e da torcida de grande parte da plateia que o assiste. A aprovação do teto dos gastos pode ser considerada uma delas. A Reforma da Previdência é o que mais se aproximaria do evento da praia de Massachussetts em 1911, em termos de ousadia para um governo que se encontra com a popularidade baixíssima.

Popularidade baixa ou alta não importa para que um objetivo, mágico ou não, seja logrado. A plateia de 1911 era o fator menos importante para que Houdini conseguisse sair de dentro do estômago daquele bicho gigante e em estado de decomposição. A plateia podia vaiar ou aplaudir, mas isso não afetaria como ele se libertaria das dificuldades que ele se autoimpôs.

Não é preciso muita criatividade para ver nesse monstrengo gigante, putrefato e curioso o Congresso brasileiro que temos hoje. Justiça seja feita, alguns nomes no nosso Parlamento se salvam e, corretamente deverão discordar desta comparação, mas não é assim que a plateia que observa Brasília os enxerga. Como Houdini, Temer entra com as mãos e pernas algemado no “estômago do animal” para tentar o que muitos consideram impossível – aprovar a Reforma da Previdência.

Reforma da Previdência: maioria acredita que não será aprovada

Em pesquisa inédita da Arko Advice, realizada na segunda quinzena de outubro, os indícios de que o presidente terá mais dificuldades do que o mito do ilusionismo teve naquela situação são marcantes. Hoje, 78,77% dos parlamentares acreditam que o Presidente não conseguirá aprovar a Reforma da Previdência; 16,04% afirmam que sim e apenas 5,19% dizem que não sabem.

Dos 23 representantes do PMDB, 15 acham que a reforma não será aprovada nesta gestão; cinco acreditam que sim e três não sabem. No PSDB, dos 17 entrevistados 12 avaliam que não e cinco têm uma visão mais otimista.

Em relação ao que pode ser aprovado, uma maioria de 64,63% afirmou que não sabia ou não respondeu. Para apenas 16,98%, um tema relevante da reforma surge como um dos itens que deverão ser aprovados: idade mínima. A aprovação do texto na Comissão Especial é esperada por apenas 3,30%.

Planalto pretende enviar projeto após votação da denúncia

A expectativa do Planalto é que a reforma seja encaminhada após a votação da segunda denúncia que está prevista para o dia 25 de outubro. Tal comportamento otimista resulta na aposta de que muitos dos que se posicionaram entre os 78,77% visam expressar pessimismo para aumentar seu poder de barganha nas negociações com o governo. Há também a possibilidade, baseada em histórico verdadeiro, de que a decisão de um parlamentar de votar a favor ou contra um tema como a Reforma da Previdência dependerá de como seus colegas se posicionarão no dia da votação e principalmente quem estará coordenando articulação política do Planalto.

Não sabemos se Houdini carregou uma, duas ou dez chaves escondidas em algum lugar do seu corpo ao entrar naquele monstro marinho. Também não sabemos se alguém já havia deixado o material necessário para o escape de dentro do animal. O que sabemos é que algo foi feito e algo aconteceu naquele estômago repleto de gases venenosos e fedorentos que o possibilitou libertar-se das dificuldades autoimpostas.

O mito foi criado e engrandecido após um ato considerado impossível (e extremamente inusitado) até então. Certamente o que ocorrer em Brasília, pelo sim ou pelo não, não criará um mito sequer perto do que Houdini foi, mas não deixará de ser um feito. No mínimo demonstrará que no estômago da fera que é o Congresso Nacional, a sensação é de indigestão perante a Reforma da Previdência.

Publicado na GQ Brasil.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais