reformas

Reformas: enquanto não ocorre o debate, contrainformação avança

Imprimir

As discussões em torno das reformas trabalhista e previdenciária no Congresso deveriam ilustrar um estudo de caso sobre como a informação e a contrainformação prejudicaram esse debate. O governo não foi páreo para enfrentar a guerra de contrainformação deflagrada por aqueles que não querem reforma alguma.

Apesar dos alertas, a questão da comunicação do governo sobre o tema foi deficiente. Tanto por motivos orçamentários, já que o governo Dilma gastou quase toda a verba de publicidade antes de sair, quanto por motivos judiciais, uma vez que as corporações conseguiram, com o apoio velado do corporativismo no Judiciário, barrar a publicidade do governo sobre o assunto.

Para piorar, faltou discernimento para entender que comunicação é muito mais do que ficar na conversinha do círculo íntimo da imprensa de Brasília ou de meia dúzia de formadores de opinião de fora. Comunicação é algo bem mais amplo e envolve práticas que não são nem propaganda, nem assessoria de imprensa.

Viralização da mentira

Outro fator crítico é que a viralização da mentira é muito rápida, demandando um aparato estratégico que permita identificá-la imediatamente para que se possa reagir com eficácia. Seria importante também haver difusores da contrainformação. Mas pouco foi feito.

O resultado é o arrastar da agenda das reformas com uma pesada dose de impopularidade que poderia ter sido atenuada se tivesse havido uma visão estratégica da questão.

O próprio presidente Michel Temer tenta resolver a carência de sua comunicação envolvendo-se diretamente com o tema. Tomou a iniciativa de ligar para comunicadores e se colocar à disposição para explicar o que está sendo feito. A equipe econômica, que já foi mais vocal, parece intimidada pelo debate.

Desconstrução das reformas

Voltando ao estudo de caso, devemos ver como as reformas foram desconstruídas. E, o pior de tudo, a favor da manutenção de privilégios. Inclusive do fascista imposto sindical, que deveria ser abolido para patrões e empregados em sua forma mandatória. Cada um que dê quanto achar que deve dar, conforme ocorre nas associações que funcionam Brasil afora, com base em contribuições voluntárias.

A desconstrução das reformas mostra uma imprensa tímida em adentrar o debate, com medo de adotar uma postura “patronal” ou chapa-branca, quando deveria estudar a questão a fundo e ver que as regras trabalhistas atuais favorecem a miséria, a fome e o desemprego. E que o sistema previdenciário nacional, como bem disse o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo, promove uma brutal transferência de renda dos pobres para os ricos.

Tudo nas barbas de uma imprensa algumas vezes complacente com o discurso pseudoprogressista de quem é contra as reformas. É uma vergonha a incapacidade de reflexão de nossas elites.

Debate ausente

Enquanto a contrainformação corre solta, os aliados das reformas se manifestam aqui e ali. Não há, porém, uma adesão pública e ampla do empresariado, que padece com uma legislação trabalhista arcaica. Existe hoje um quase silêncio constrangedor por parte das confederações empresariais, que se consomem com um impacto pífio na realidade nacional.

Tampouco se divulgam os potenciais benefícios que as reformas podem trazer. Nem há soldados dispostos a dar a cara a tapa no debate. Apenas os relatores e alguns poucos “darcísios perondis” enfrentam de peito aberto o debate.

Vejo com preocupação certa acomodação nas esferas do Judiciário, enleadas com alguns privilégios que a alta magistratura federal não tem, mas que são comuns nos Estados. Portanto, com elites complacentes, o debate viaja ao sabor da coragem de uns e da contrainformação de outros. Assim, corremos o risco de que privilégios sejam mantidos e que, como sempre, a verdade seja completamente sacrificada nos debates.

Publicado n’O Tempo em 16/05/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais