brasil

O risco da instabilidade política

Imprimir

De delação em delação, nos arriscamos a caminhar rumo à instabilidade política. A bola da vez é Eliseu Padilha, ministro próximo do presidente. Ele afastou-se do cargo enquanto recupera-se de cirurgia na próstata.

Um afastamento definitivo implica a existência de provas, negadas por seus aliados. Os adversários argumentam que Marcelo Odebrecht não se arriscaria dessa forma, envolvendo autoridade tão importante. Sua inteligência o impediria.

Ele afirmou com todas as letras a construtora que comandou deu dinheiro para a chapa Dilma-Temer durante a campanha de 2014. Então, no mínimo haveria aí o caixa dois, que poderia, sim, levar à cassação da chapa e à destituição de Temer.

Antes que comecem a achar que quem assume é o presidente do PSDB, Aécio Neves, cabe lembrar a lei: em casos como esse, há a eleição indireta para o restante do mandato, o que na prática entrega ao Congresso o poder de escolher o presidente. E pode ser qualquer um, não precisa ser um deputado ou senador.

Há ainda a possibilidade de a doação ser considerada pagamento de propina, que também pode ser configurado pela delação de Odebrecht.

A saída de Temer é pedir a separação das contas de campanha do vice-presidente. Em junho do ano passado, o ministro Gilmar Mendes manifestou-se dizendo ser difícil separar as contas.

Mas houve um caso em que o vencedor da eleição, o então governador de Roraima, Ottomar de Souza Pinto, foi alvo de uma ação que pedia sua cassação. Ele morreu em 2007, em meio à tramitação do processo, e o TSE decidiu manter o vice, Anchieta Júnior, como governador.

Ocorre que mesmo com a morte de Pinto, o processo seguiu contra o vice, e este só não foi cassado por falta de provas, e não por dissolução da denúncia.

Relator do processo, o ministro Fernando Gonçalves consignou, em voto proferido em 2009, que a jurisprudência do TSE era pacífica e impossibilitava a separação da chapa no julgamento:

“Cumpre recordar, de início, ter o governador eleito, Ottomar de Souza Pinto, falecido no curso do processo, razão pela qual os efeitos do presente julgamento vão refletir na manutenção do mandato do então vice e atual governador, José de Anchieta Júnior. Trata-se de aplicação do princípio da indivisibilidade da chapa única majoritária, segundo o qual, por ser o registro do governador e vice-governador realizado em chapa única e indivisível (art. 91 do Código Eleitoral), a apuração de eventual censura em relação a um dos candidatos contamina a ambos”.

Nunca antes na história deste país uma chapa foi dividida de forma a beneficiar um dos candidatos, mas vale aguardar. Hoje, não faltam juristas que contemplam tal hipótese em suas avaliações sobre os desdobramentos do processo.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais