brasil

A salvação de Lula interessa a muita gente. E pode vir pelo STF

Imprimir

Duas circunstâncias distintas concorrem para livrar o ex-presidente Lula da prisão. Uma delas passa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mais exatamente pelo juiz Dias Toffoli. Outra, pelos inúmeros suspeitos graúdos de rapinarem o erário.

Diante da probabilidade de, em março, o STF debruçar-se mais uma vez sobre a prisão para condenados em 2ª instância, volta a ser cogitada a tese toffolista engendrada em 2016 (antes da condenação de Lula). O estratagema pode ser visto como um misto de orquestração jurídica e política.

Por ele, o STF aboliria decisão anterior, de 2016, tomada por 6 a 5, de permitir o encarceramento de réu condenado em colegiado de 2ª instância. Mas, ao mesmo tempo, evitaria voltar ao infindável sistema anterior, equivalente mais das vezes à impunidade, onde somente a sentença final lavrada pelo STF (4ª e última instância) teria o condão de trancafiar meliantes do erário – viventes comuns, que não fazem parte da elite, penam no xilindró já na 1ª instância.

A alternativa apontada por Toffoli, criado nas hostes petistas e alçado à sufeta da Suprema Corte por Lula presidente, é a 3ª instância. Por esta proposta intermediária, somente após condenado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) o réu poderia ser levado às masmorras de Martins Cardozo.

A justificativa, de acordo com a jornalista Carolina Brígido, d’O Globo, seria “uniformizar o entendimento” das instâncias inferiores. Por este viés interpretativo, isto evitaria que cada tribunal de 2ª instância lavrasse entendimento diferente para casos semelhantes.

Já a orquestração política passa pela pacificação dos 11 egos que compõem a Corte Máxima do Judiciário brasiliano. Como alguns defendem manter a decisão atual (prisão em 2ª instância) e outros persistem na jurisprudência anterior a 2016 (4ª instância), o meio-termo poderia apaziguar a maioria. Poderia.

Interesse comum

Na esfera política propriamente dita o que pode beneficiar Lula, líder de incomparável resiliência, é o interesse comum de outros políticos suspeitos de rapinarem o erário. Neste jogo entram integrantes do PSDB, do PMDB, do PP, do PT etc – alguns presos, outros em vias de.

Se, aparentemente, a 8ª turma do TRF-4, de Porto Alegre, composta por três sufetas com pinta de mosqueteiros, mostra-se imune a influências políticas, o mesmo não acontece com o STF. Corte de justiça, sim, mas fortemente permeada pela política.

Como ensinou a juíza aposentada Eliana Calmon, ex-STJ, ninguém chega às instâncias superiores da magistratura sem lobby. “A nomeação é um processo eminentemente político”, revelou a magistrada.

A prisão de Lula, a prevalecer a interpretação de que grupos de juízes anônimos País adentro poderão decretar a detenção de maganos hoje protegidos pela lentidão eterna do Supremo, conhecida como foro privilegiado, é aterradora. Se podem prender Lula, inconteste líder de massas da história brasileira, por que não políticos menos lustrados?

Assim, nessa esteira salvacionista horda extensa de meliantes do erário seria contemplada. De quebra, Lula seria o principal responsabilizado como alvo da “armação”, que é como a opinião pública interpretará mais um ato dessa tragédia tupiniquim.

Deixar a decisão da prisão para o STJ renderá tempo precioso para novas artimanhas jurídicas e políticas a suspeitos de ladroagem denunciados pela Lava-Jato. Como se vê, a alternativa congrega interesse multilateral. Além disso, Lula permaneceria inelegível, reduzindo sua influência eleitoral.

O que pode dar errado? Muita coisa. Entre outras, a reação popular, pois ficará translúcido o alvo do beneplácito supremo. Vide as hostilidades sofridas pelo juiz Gilmar Mendes, do Supremo. Sem contar, a reação da mídia.

Enfim, nada que envolve Lula tem desfecho simples. Mesmo não sendo o líder de outrora, seus movimentos equivalem aos vagalhões que se seguem a grandes terremotos. Atingem a todos.

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais

O mercado prefere Alckmin, mas ‘comprou’ Bolsonaro


Sondagem da XP Investimentos com 204 investidores institucionais mostra que o ex-capitão Jair Bolsonaro superou o ex-governador Geraldo Alckmin na corrida sucessória. Quem convive com os tubarões do mercado, como o InfoMoney, braço editorial da XP Investimentos, interpretou o resultado da seguinte forma: o arrivista boquirroto deixou de ser surpresa. http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7462345/tubaroes-mercado-dao-favoritismo-bolsonaro-projetam-segundo-turno-contra-ciro “O mercado comprou Bolsonaro”, disse um desses observadores, acostumado à visão pragmática de quem só pensa em amealhar mais e mais moeda. Para essa turba – que não é ignara, senão dinheiro farto não teria -, não interessa quem é o dono da bola, desde que a deixe jogar. Preocupação máxima Para quem não leu a sondagem, eis a síntese. Bolsonaro saltou de 29%, em abril, para 48%, em junho, na expectativa de quem será o vencedor do pleito presidencial de outubro próximo. Geraldo Alckmin, o preferido dos tubarões, caiu de 48% para 31%. Atente-se que estes percentuais não tratam de preferência, mas de prognóstico. Igualmente relevante, a avaliação para o segundo turno. Nada menos do que 85% dos tubarões acreditam que o candidato do PSL estará no segundo turno. E “se você tivesse que ficar comprado em ativos brasileiros, quão preocupado com eleições você estaria”, quis saber a XP. 51% estão muito preocupados, 35% preocupados. A preocupação, depreende-se das tabelas divulgadas, é pela vitória eventual de Fernando Haddad e Ciro Gomes. Duas perguntas exprimem a preferência dos rentistas pelo ex-governador de São Paulo. “Para onde vai a bolsa nas próximas semanas/meses se _________ ganhar?” é uma delas. A outra apenas substitui “bolsa” por “câmbio”. Nos dois casos, o nome de Alckmin é o que remonta ao cenário pós-eleitoral mais otimista. Bolsa em alta, dólar em queda. Bolsonaro vem aí. Se vai ganhar, nem o oráculo mercado é capaz de prever. Relacionado

Ler mais