eleicoes-2018

Sem dinheiro para os rábulas

Imprimir

O Estadão publicou no último dia 27 de março levantamento sobre a posição de 14 candidatos à Presidência da República em relação à possibilidade de prisão em segunda instância. A chamada esquerda votou contra a atual, e frágil, jurisprudência.

Entre os postulantes, 7 são favoráveis (DEM, Podemos, Novo, PRB, Rede, PSL, PSDB), 4, contrários (PT, PDT, PCdoB, PSOL), 2 sustentaram que cabe à Suprema Corte decidir (PMDB, PSD), 1 não foi localizado (PTC). O matutino ignorou os aspirantes do PRTB e do PSDC, dos folclóricos Levy Fidelix e José Maria Eymael. veja

 

Os presidenciáveis dos principais partidos na mira da Lava-Jato – PSDB, PT e PMDB – se dividiram. Geraldo Alckmin é favorável, Lula é contra, Michel Temer optou pela coluna do meio.

Duas conclusões a partir do levantamento.

A primeira indica que a proposta do deputado Alex Manente, que inclui na Constituição a possibilidade de prisão em segunda instância, não será facilmente aprovada – noves fora a intervenção no Rio que proíbe emendar a Constituição. Afora o presidenciável Geraldo Alckmin nenhum outro postulante de partido relevante defendeu a iniciativa.

Há que considerar, ainda, que a caterva enrolada dentro de cada agremiação pode se insubordinar à preferência do seu presidenciável. Por fim, o artigo 5º da Constituição, alvo da proposta de Manente, é cláusula pétrea, ou seja, não pode ser alterado. Tiro n’água.

Meliantes do erário

A segunda conclusão é que a chamada esquerda se uniu em favor do sistema antigo, aquele em que muito dificilmente um condenado endinheirado era privado de liberdade. Já os pobres eram, e continuarão sendo, candidatos preferenciais à privação de liberdade – mesmo sem condenação.

Foi a Operação Lava-Jato (com sua fúria condenatória) aliada à decisão do STF em 2016 (permitindo a prisão em 2ª instância) que levou pela primeira vez na história do Brasil a elite branca, rica e corrupta a padecer a falta de liberdade. Com a volta do sistema anterior, a patuleia, sem acesso nem mesmo a rábulas, continuará penando nas masmorras de Cardozo.

Já os brancos ricos voltarão a procrastinar ad aeternum o encarceramento. Desta grei, farão parte meliantes do erário de todos os matizes, inclusive camaradas da sinistra, aquela que converteu militantes por princípio em políticos sem princípio.

Sobrevivência ou convicção. Tanto faz. O resultado será o mesmo. Ricos soltos, pobres presos.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais