politica

Aécio, Gleisi & Jucá. Tudo a ver

Imprimir

O que há de semelhante entre Aécio Neves, Gleisi Hoffmann e Romero Jucá, além do fato de todos estarem no Senado? Certo, os três são presidentes de partidos: PSDB, PT & PMDB. Mas há uma terceira convergência.

As três agremiações que presidem são responsáveis por quase todos os avanços no País desde a redemocratização. E também por quase todas as mazelas que afligem nossa vida social, nossa economia e nossas finanças.

Parêntesis. Sim, muita coisa boa foi produzida nesse período e quase tudo partiu do Parlamento, não do Judiciário. ECA, Lei Maria da Penha, LRF, lei de acesso à informação, privatizações, bolsa-família etc. Inclusive a lei da delação premiada, flagelo de políticos malfeitores.

Enquanto isto, o Judiciário mantém por liminar o auxílio-moradia para juízes e procuradores que, na maioria, recebem acima do teto constitucional (R$ 33,7 mil) e já têm moradia. São R$ 4,3 mil mensais, livres de imposto de renda. Fecha parêntesis.

Ocorre que a política não é linear. Assim, as mesmas siglas que patrocinaram avanços na legislação, elegeram uma tríade suspeita de corrupção.

Tripla semelhança

Quer dizer, os maiores e mais importantes partidos do Brasil escolheram gente suspeita de malfeitos para presidi-los. Justamente quando há uma ampla cobrança popular para punir corruptos graúdos.

Três senadores. Três presidentes partidários. Três suspeitos de corrupção.

Falta de opção, leitor? Vamos lá.

O PT conta com Olívio Dutra e Patrus Ananias. O PMDB, com Jarbas Vasconcelos e Pedro Simon. O PSDB, com Fernando Henrique Cardoso.

A tripla e suspeita presidência partidária é mostra angustiante do hodierno quadro partidário. Para não despencar no desalento, mau conselheiro, o remédio é ficar de olho em 2018.

Uma forma de desinfetar os partidos é remover todos os malfeitores dos parlamentos Brasil adentro, e colocar gente honesta no lugar. E essa tarefa é exclusiva do eleitor, coparticipante indissociável da democracia.

Quase nenhum parlamentar (suplente no Senado não tem voto) chegou a Brasília a pé. A sociedade votante tem o direito de remover os maus políticos. Ou reconduzir os suspeitos de sempre.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais