agenda-politica-brasileira

Senado pode votar fim do foro privilegiado

Imprimir

O Senado pode votar seis medidas provisórias, entre elas: nº 762/16, que prorroga a isenção do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM); nº 764/16, que autoriza desconto na compra de bens e serviços com pagamento à vista, proibindo contratos de prestadoras de serviço de excluir essa possibilidade conforme a forma de pagamento (dinheiro, cartão de crédito, cheque); e nº 767/17, que aumenta as carências para concessão do auxílio-doença, da aposentadoria por invalidez e do salário-maternidade.

O Senado também pode votar proposta de emenda à Constituição que acaba com o foro privilegiado (PEC 10/2013).

Outros eventos desta terça-feira são os seguintes:

1. O presidente Michel Temer, os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, do Planejamento, Dyogo Oliveira; e das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, participam do Brasil Investment Forum 2017, do Banco Interamericano de Desenvolvimento, em São Paulo.

2. O ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio se reúne com o presidente Michel Temer para anunciar se irá ou não para o Ministério da Transparência.

3. A Câmara pode votar projeto de lei que trata da convalidação de benefícios fiscais concedidos sem autorização do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

4.  Sessão do Congresso Nacional, a partir das 19h30, para analisar vetos presidenciais.

5. A Bancada do PMDB no Senado se reúne para decidir sobre a permanência do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) na liderança do partido.

6. A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado pode votar parecer do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) à Reforma Trabalhista.

7. A Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara realiza audiência pública sobre cartões de crédito com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, o presidente da Febraban, Murilo Portugal, entre outros.

8. A segunda turma do Supremo Tribunal Federal julga pedido de prisão domiciliar a três condenados da Lava-Jato: o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e os empresários Flavio Henrique de Oliveira Macedo e Eduardo Aparecido de Meira, sócios da Credencial Construtora.

9. Início da reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central.

10. Encontro do Fórum de Governadores.

11. Veiculação do programa partidário do PV, em cadeia de rádio e TV, com duração de dez minutos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais