reformas

Três perguntas para Ronaldo Caiado, líder do DEM no Senado

Imprimir

O Blog da Política Brasileira entrevistou o senador Ronaldo Caiado, Líder do DEM no Senado. Veja o que ele disse sobre a aprovação das reformas e a crise política.

Diante da derrota sofrida na votação da Reforma Trabalhista, o senhor acredita que o governo conseguirá aprovar as duas reformas em andamento no Congresso?

O que falta ao governo é credibilidade. O governo está se escudando nas reformas que, na verdade, ele não assumiu. E o próprio ministro do Trabalho disse que poderá encaminhar algumas outras medidas provisórias, modificando até a parte do imposto sindical e alterando alguns pontos. Essa é uma prerrogativa do Senado Federal, a Casa revisora. O governo está fazendo muito mais um mecanismo para tentar sobreviver aos desgastes que vive do que realmente se preocupar com as reformas. Não tem motivo para se ter um governo com esse patamar de ineficiência e sem credibilidade. Então, a reforma não pode servir de âncora para sustentar um governo que já apodreceu, que não existe mais.

Vê condições de o governo avançar em novas agendas?

Não. Você não tem como ter certeza de como será o governo amanhã e nem de quem será o presidente da República amanhã. É um momento de incerteza completa. Nós não sabemos por quanto tempo o Brasil vai suportar tanto desmando e ao mesmo tempo tanto descrédito do governo.

O senhor acredita que uma eventual denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pode avançar na Câmara?

 Não sou capaz de avaliar. Até porque não tenho ideia do que virá como denúncia do procurador. Não sei a abrangência e a contundência dos fatos que virão. Mas os fatos existentes hoje já desqualificam o governo a continuar, a não responder nenhum processo. Mas isso é uma opinião de ordem pessoal, não tenho credencial para falar pelos colegas deputados.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais