eleicoes-2018

Sobre águas, pontes e 2018

Imprimir

A Operação Lava-Jato completou três anos com resultados absolutamente extraordinários. Já a crise deflagrada pela operação tem raízes que remontam ao mensalão, ou seja, a mais de dez anos.

Entre o mensalão e a Lava Jato tivemos eventos marcantes, como a aprovação da Lei da Ficha Limpa, as manifestações de 2013 e a implantação de medidas contra a corrupção no final daquele ano. Na sequência, explodiu a Lava Jato, que adensa o processo de transformação iniciado pelo mensalão. O que vai acontecer daqui para a frente?

O cenário atual ainda é de espessas nuvens de incerteza. Estamos às portas de revelações importantes e de decisões críticas no Supremo Tribunal Federal (STF). O que acontecer nos próximos meses terá efeito decisivo nas eleições de 2018.

2018: uma eleição em construção

A disputa de 2018, na prática, está submetida à dinâmica da Suprema Corte e da pressão das ruas. Sem dúvida nenhuma, o Supremo e as ruas são os elementos mais relevantes para determinar as coalizões e as chapas presidenciais em 2018. Por isso os movimentos que serão feitos por lá e nas manifestações populares, até outubro deste ano, podem definir os rumos da sucessão presidencial. No entanto, sabemos que o processo será lento. Tanto por sua complexidade quanto pelo número de envolvidos. Daí a pressão da opinião pública ser uma variável relevante.

Além do papel central do Supremo Tribunal, a campanha de 2018 terá aspectos únicos. Começo pelo aspecto financeiro: sem o dinheiro dos megadoadores, não teremos mais campanhas bilionárias. Por outro lado, serão campanhas sem doações significativas de pessoas físicas, que deverão crescer, mas nada que se compare ao volume que era doado pelas empresas. Na falta de dinheiro privado, os partidos serão os grandes financiadores das campanhas. Daí os movimentos para se criar, em momento de crise fiscal, um fundo eleitoral multibilionário.

Com os cofres cheios de verbas partidárias – que tendem a aumentar no Orçamento da União para 2018 – os partidos grandes levarão vantagem. Na falta de recursos, a estrutura partidária e a máquina municipal também podem fazer a diferença. Hoje a base política do presidente Michel Temer controla mais de 4.200 municípios brasileiros. Será uma vantagem óbvia se a coligação governista conseguir chegar unida ao ano que vem.

O problema é ter um candidato que:

a) sobreviva à Lava Jato;

b) una a base governista;

e c) seja razoavelmente competitivo.

Não é uma equação fácil de ser resolvida.

Primavera brasileira

Por outro lado, existe um desejo claro de mudança e de repúdio à política tradicional. Como conciliar o desejo pelo novo com as condições estruturais que favorecem os grandes partidos? Essa é outra equação difícil. Como o novo vai ganhar sem tempo de televisão, sem recursos financeiros e sem estrutura municipal? Para tal deveria haver uma profunda transformação no comportamento do eleitor brasileiro, que não está totalmente amadurecido. Ou uma espécie de primavera brasileira para impulsionar o novo contra as estruturas tradicionais.

Salvo acontecimentos extraordinários, o certo é considerar que o novo na política poderá ter dificuldades para superar as estruturas da velha política, ainda solidamente plantadas Brasil afora. O que se passou no eixo Rio de Janeiro-São Paulo-Belo Horizonte, onde políticos novos ou com uma “nova embalagem” ganharam notoriedade, e até mesmo venceram disputas, pode não se repetir no âmbito nacional.

O ambiente econômico é outra variável. Com uma melhor “sensação térmica” na economia, o novo pode perder força para o tradicional.

Apenas nomes inquestionáveis, como o do juiz Sergio Moro, teriam condições de superar eventuais dificuldades estruturais e fazer uma campanha potencialmente vencedora. No mais, um candidato sobrevivente do establishment político poderá, com uma narrativa própria e “embalado pelo novo”, vir a ser eleito. O dilema é saber quem poderá ser esse nome.

Oposição fragmentada

A oposição – hoje localizada no PT, no PDT e no PSOL – carece de unidade, narrativa e estrutura. Além das incertezas com relação ao destino do ex-presidente Lula da Silva e à viabilidade do ex-governador do Ceará Ciro Gomes, a oposição tende a ficar imprensada entre a máquina do governo, a vontade de renovação e as sequelas da Lava Jato. Marina Silva e sua Rede Sustentável também devem disputar sem o glamour, os recursos e a estrutura dos tempos da campanha com o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos.

Portanto, falar de candidatos, no momento, é apenas interessante. Mas será inútil qualquer especulação enquanto o STF não se pronunciar. Os nomes disponíveis são os mesmos de sempre. Daí a expectativa para que surja algo novo. E parece que os novos nomes – ainda – não quererem disputar. Além de Sergio Moro, o empresário Roberto Justus e o prefeito de São Paulo, João Doria, também já declinaram da postulação. O que, a esta altura, não quer dizer muita coisa.

Em política, o acaso sempre aparece com um voto decisivo sobre o rumo dos acontecimentos. Enfim, as circunstâncias podem definir os candidatos e, sobretudo, o resultado das eleições a partir das ruas, da economia e da Lava Jato.

O tempo, porém, está correndo e postulantes em potencial têm de se transformar em candidatos de verdade. Devem se movimentar para construir coalizões e, ao mesmo tempo, enfrentar uma dura batalha jurídica. Até lá, assistiremos a uma corrida contra o relógio na qual políticos tentam sobreviver até 2018, candidatos tentam emplacar suas candidaturas e o mundo judiciário tenta deglutir os despojos da velha política nacional e do capitalismo tupiniquim. É muita água para rolar debaixo da ponte em tão pouco tempo.

Publicado no Estadão em 29/03/17 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais