eleicoes-2018

Sucessão 2018: Cenário de imprevisibilidade persiste

Imprimir

O Instituto Paraná divulgou no último sábado (30/09) uma pesquisa sobre a sucessão 2018 para presidência da República. O levantamento, publicado na revista IstoÉ, trouxe os seguintes resultados:

Lula lidera cenários de 1º turno

Ancorado num eleitorado cativo superior a 25%, o ex-presidente Lula (PT) lidera os cenários em que seu nome aparece como opção e hoje teria uma vaga muito bem encaminhada no segundo turno  (ver tabela abaixo).

Sem Lula, Bolsonaro assume o primeiro lugar

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) aparece isolado em segundo lugar nos cenários em que Lula aparece como candidato (simulações 1 e 2) e hoje teria mais chances de ser o adversário do ex-presidente no segundo turno. Nas simulações 3 a 4, quando o nome de Lula não é incluído como opção, a situação fica ainda mais favorável para Bolsonaro, que assume a liderança.

Doria e Alckmin estão tecnicamente empatados

Apesar do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), aparecer numericamente à frente do governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) em todos os cenários, eles estão tecnicamente empatados em função da margem de erro (dois pontos percentuais para mais ou para menos).

Bolsonaro supera as alternativas presidenciais do PSDB

Seja Doria ou Alckmin o candidato tucano, hoje o PSDB é superado por Bolsonaro e corre o risco de ficar fora do segundo turno. Esse risco é maior nos cenários em que Lula aparece como opção. Porém, nas simulações em que o ex-presidente não é citado como opção, os tucanos correm o risco de serem superados pela ex-senadora Marina Silva (REDE-AC).

Ausência de Lula beneficia Marina Silva

Marina está tecnicamente empatada com Doria, Alckmin e o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa (Sem partido) em terceiro lugar nos cenários em que Lula é o candidato do PT. Nas simulações sem Lula, Marina se beneficia e empata com Doria em segundo lugar. Nota-se que sem o ex-presidente no páreo, o voto fica ainda mais pulverizado.

Ciro, Álvaro Dias e Meirelles bom baixa densidade eleitoral

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE), o senador Álvaro Dias (PODEMOS-PR) e o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD-SP), apresentam baixa densidade eleitoral em todos os quatro cenários. Porém, Ciro cresce nas simulações (3 e 4) em que Lula não figura como candidato do PT.

Lula não transfere votos para Haddad

Nota-se que na ausência do ex-presidente na disputa, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), cotado como o Plano B do partido, não consegue atrair o eleitorado Lulista para seu lado. Sem Lula, cresce também o índice dos entrevistados que afirma que não votará em ninguém ou não sabe em quem votar.

Vale registrar que a sondagem não simulou as seguintes situações:

1) a possibilidade da sucessão de 2018 ter João Doria e Geraldo Alckmin como candidatos. Isso poderá ocorrer caso Alckmin for escolhido como o nome do PSDB e Doria mude de partido para concorrer ao Palácio do Planalto;

2) a eventual aliança entre Marina Silva e Joaquim Barbosa, chapa que possui um interesse potencial competitivo.

A pesquisa do instituto Paraná também trouxe outras informações importantes que merecem menção. São elas:

Doria atrai maior parte dos eleitores de Alckmin

João Doria, com 48,3%, é o preferido entre os entrevistados que declaram voto em Geraldo Alckmin. Depois aparecem Marina (5,6%), Lula (4,7%), Ciro (4,6%), Meirelles (4,1%) e Bolsonaro (3,5%).

Marina herda eleitorado lulista

Marina Silva (21,5%) é quem atrai a maior parcela do eleitorado que declara voto em Lula. Em seguida aparecem Ciro (11,4%), Haddad (10,3%), Doria (7,5%), e Bolsonaro (4,5%).

Alckmin fica com a maior parcela dos eleitores de Doria

Geraldo Alckmin (34,9%) atrai a maior parcela dos eleitores de Doria, seguido por Bolsonaro (16,0%), Barbosa (9,2%), Ciro (5,0%), Marina (3,2%) e Lula (2,6%).

Maioria prefere Doria como o candidato do PSDB em 2018

A maioria dos entrevistados prefere Doria (36,9%) à Alckmin (28,0%) como o candidato do PSDB em 2018. Há ainda 30,2% que não deseja nenhum dos dois.

Lula é o nome mais rejeitado

Apesar de liderar os cenários em que seu nome é mencionado, Lula é o candidato mais rejeitado (54,0%), o que pode trazer dificuldades para o ex-presidente no segundo turno. O segundo mais rejeitado é Alckmin (47,2%), seguido por Bolsonaro (45,9%) e Doria (36,8%).

Potencial de Doria é maior que de Alckmin

Nota-se que Doria possui um potencial eleitoral maior que Alckmin. Embora o prefeito e o governador estejam tecnicamente empatados nas simulações de intenção de voto, Doria atrai mais os eleitores de Alckmin que o contrário.

Além disso, 54,7% dos entrevistados afirmam que podem votar no prefeito. O índice do governador é de 46,9%. Outro fator favorável a Doria é o fato de na ausência do prefeito, 16,0% de seu eleitorado migrar para Bolsonaro.

Sem Alckmin, Bolsonaro fica com apenas 3,5% dos votos, pois a maior parte dos eleitores do governador vai para Doria. Ou seja, o PSDB perde mais votos para Bolsonaro se o candidato for Alckmin.

Eleitorado quer um candidato novo

59,4% deseja um candidato novo, mesmo que não seja conhecido. Outros 34,4% preferem um candidato com experiência política, dentre as lideranças conhecidas.

Citação na Lava-Jato tira votos

73,4% afirma que não votaria em um candidato mencionado na Operação Lava-Jato, mesmo que a Justiça não tenha demonstrado que ele é culpado. 14,0% afirma que votaria nesse candidato mesmo assim. E 11,3% talvez votaria.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados