politica

Murillo de Aragão na GloboNews

Imprimir

Murillo de Aragão, cientista político e presidente da Arko Advice, participou do programa GloboNews Política, do canal GloboNews, que foi ao ar nesta quarta-feira (10).

No programa apresentado por Gerson Camarotti,  Murillo de Aragão e Antônio Augusto de Queiroz avaliaram o primeiro ano do governo de Michel Temer. Os principais pontos foram a baixa popularidade, a agenda de reformas o legado do governo Temer para o futuro do país e os efeitos dos escândalos da Lava-Jato no dia a dia do Planalto.

Ambos concordaram que por assumir uma agenda pesada de reformas o presidente arca com o ônus de não ter uma imagem positiva perante a opinião pública. No entanto, a solidez de sua base parlamentar permite que ele seja, em suas palavras, “um presidente reformista” e que esteja alcançando avanços consideráveis nas reformas estruturais de que o país necessita.

Os efeitos das reformas e projetos aprovados serão sentidos pela população no futuro, mas o mercado já tem respondido e a economia tem dado sinais leves de melhora.

Até o fim de seu mandato, Temer precisa concluir a aprovação das reformas Trabalhista e da Previdência que já estão em estágio avançado de tramitação.

O programa está disponível para assinantes da NET.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Reflexões sobre tendências do próximo Congresso


Salvo mudanças inesperadas no humor do eleitorado, a tendência será de reeleição entre 60% e 70% da atual Câmara dos Deputados – um dos mais altos das sete últimas eleições – o que poderá levar para a próxima legislatura as práticas e os vícios da atual composição legislativa.

Ler mais

A salvação de Lula interessa a muita gente. E pode vir pelo STF


Duas circunstâncias distintas concorrem para livrar o ex-presidente Lula da prisão. Uma delas passa pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mais exatamente pelo juiz Dias Toffoli. Outra, pelos inúmeros suspeitos graúdos de rapinarem o erário…

Ler mais

O banco de reservas Petista


A condenação de Lula em segunda instância, de maneira unânime, pelo TRF-4, inviabiliza o caminho do ex-presidente ao Palácio do Planalto. O PT tem traçada a estratégia de manter a candidatura de Lula até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) impedi-lo de disputar o Planalto novamente, como preveem

Ler mais