brasil-politica

Personagens da semana: bons resultados na economia

Imprimir

Em duas semanas, o presidente interino Michel Temer conseguiu atacar de forma determinada a crise econômica, com a escolha de uma equipe de grandes operadores. No Congresso, ainda enfrenta obstáculos, com o jogo duro do centrão na barganha por posições políticas.

ANDRÉ MOURA

Dependente dos votos do centrão, Michel Temer cede na indicação do líder do governo e se expõe a duras críticas

Moura se anuncia como líder do governo em coletiva na Câmara
Moura se anuncia como líder do governo em coletiva na Câmara

Forte aliado de Eduardo Cunha, o deputado sergipano gerou uma crise ao ser escolhido líder do governo. O presidente Temer cedeu à pressão diante do poder dos eleitores de Moura: o bloco de 13 partidos que somam metade dos 513 parlamentares. Moura é acusado de tentativa de homicídio, roubo de verba pública para fazer uma festa e compra de notas frias. Para consolidar maioria e assegurar a aprovação de medidas impopulares, o presidente interino depende da boa relação com o centrão. Com os votos de PMDB, PSDB e DEM, Temer montou uma base sólida, mas expôs o governo à contaminação tóxica da companhia de Moura.

 

ILAN GOLDFAJN

Próxima reunião para decidir os juros acontece nos dias 6 e 7 de junho, mas participação de Ilan ainda é incerta

Participação de Ilan na próxima reunião para decidir os juros ainda é incerta
Participação de Ilan na próxima reunião para decidir os juros ainda é incerta

O convite de Henrique Meirelles ao economista-chefe do Itau Unibanco para comandar o Banco Central preparou o terreno para a boa recepção do pacote que o governo anuncia nesta segunda-feira, 23. Sua indicação será analisada pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, comandada pela petista Gleisi Hoffmann, e votada pelo plenário. Para compensar a perda de status de ministro, Temer vai propor a “autonomia técnica” da instituição para que as decisões da diretoria não sejam questionadas e foro privilegiado para toda a diretoria. As duas mudanças estarão em uma proposta de PEC a ser enviada ao Congresso.

 

EDUARDO CUNHA

O presidente da Câmara afastado perde margem de manobra e é obrigado pelo Judiciário a recuar em seus movimentos

O poder inquestionável de Cunha sofre desgaste sistemático
O poder inquestionável de Cunha sofre desgaste sistemático

Depois do afastamento determinado pelo Supremo, o poder inquestionável do deputado sofre desgaste sistemático, que pode empurrá-lo para a cassação em plenário. Para escapar da ameaça, Cunha manobra em várias direções. Emplacou aliados no governo Temer e deixa claro que uma eventual delação à Lava-Jato complicará a vida de muitos políticos até agora fora do alcance das investigações. Acossado pelo Judiciário, Eduardo Cunha ficou sem alternativas a não esperar a decisão do Supremo. Na semana passada, não conseguiu uma boa performance no Conselho de Ética e desistiu de voltar a frequentar a Câmara.

PEDRO PARENTE

Ex-faz-tudo de Fernando Henrique é indicado para presidir a Petrobras com a missão de ressuscitar a estatal

Brasília - O presidente indicado para a Petrobras
Brasília – O presidente indicado para a Petrobras

Depois de preencher o segundo escalão com um time de notáveis, o presidente Temer definiu que novo presidente da Petrobras é o tucano Pedro Parente. Considerado o maior gestor da Era FHC, ele terá a missão de reerguer a estatal, que deve R$ 450 bilhões. Responsável pela administração da maior crise energética do país – o apagão de 2002 –, Parente foi bem recebido pelo mercado, embora sindicalistas do setor o consideram um liberal determinado a privatizar a empresa. Focado na tarefa de blindar a petroleira da Lava-Jato, Pedro Parente passará pelo conselho da estatal sem grandes riscos de rejeição.

JOSÉ SERRA

Senador põe nova política externa em prática e consolida-se como nove forte na equipe econômica e candidato em 2018

Serra se consolidou como nove forte na equipe econômica e candidato em 2018
Serra se consolidou como nove forte na equipe econômica e candidato em 2018

Em duas semanas de trabalho, avançou rapidamente na proposta de pôr em prática a nova política externa definida pelo governo Temer. Escalou nova equipe, criou um decálogo para orientar os embaixadores, rebateu críticas de países alinhados ao populismo latino-americano e abriu as portas para negociações bilaterais mais efetivas na área comercial. Candidato à Presidência em 2018, Serra é o tucano que foi mais longe na corrida pelo sonho. Com uma avaliação de bom desempenho em menos de dois anos de mandato, o senador é tido como homem forte do presidente Temer no esforço pela estabilização da economia.

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Justiça tem que ser para todos


Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Ler mais

Serie eleições 2018: priorizar o resgate da política.


O principal desafio da sociedade e das instituições, além dos próprios candidatos ao pleito de 2018, é superar a desilusão com a política. É preciso resgatar a importância da principal ou da única forma de resolução dos problemas coletivos fora do emprego da violência.

Ler mais

Por enquanto, espontânea e rejeição é o que interessa nas pesquisas


O alvoroço em torno das pesquisas de intenção de voto se justifica. Afinal, o grau de credibilidade de alguns institutos de pesquisa, como o Datafolha, torna-se um dos poucos referenciais concretos diante do achismo de palpiteiros.

Ler mais