politica

A era dos gestos

Imprimir

Durante os últimos anos estivemos acostumados a buscar nas palavras dos grandes líderes mundiais o rumo da política internacional. Eles se empenhavam em produzir discursos que serviriam posteriormente como material para análises, avaliações, enfim para explicar o caráter e as motivações de suas decisões.

Compartilhe no Whatsapp: http://bit.ly/2qrCOf9

Os discursos, além da capacidade de mobilizar países, deram às multidões a esperança de que careciam em situações difíceis, foram também oportunidades para se expressar grandes compromissos. Bastaria lembrar os discursos durante a Segunda Guerra Mundial de Winston Churchill em uma conjuntura em que era necessário coragem para enfrentar um inimigo muito mais poderoso, ou convocações de Charles de Gaulle, desde o exílio, ao povo francês para que lutasse contra o mesmo inimigo e rejeitasse a resignação do governo colaboracionista instalado em Vichy pelos nazistas.

John Kennedy com seu famoso “Ich bin ein Berliner” (eu sou berlinense) diante de milhares de habitantes que haviam visto erguer um muro que dividia a antiga capital em duas metades no auge da Guerra Fria. Era uma manifestação de solidariedade e um compromisso com os princípios da liberdade que os berlinenses veriam restabelecidos muitos anos depois.

O gestual de Trump

Nos dias de hoje, a importância dos discursos está em declínio diante da força dos gestos que podem ser observados simultaneamente em todo o mundo em imagens de alta resolução. A tecnologia está amplificando ao máximo o gestual dos grandes líderes na tentativa de enxergar algo além dos discursos de praxe, das frases de conveniência.

Os gestos de Donald Trump na sua primeira viagem ao exterior, estão dizendo muito mais que os discursos. O mais explícito foi o empurrão dado ao primeiro-ministro de Montenegro, Dusko Markovic, dando a entender de que só à base de força física poderá se impor sobre outros líderes, indicando uma carência de argumentos.

Detalhe não menos importante foi o longo e duro aperto de mãos que Trump recebeu do presidente francês, Emmanuel Macron, querendo mostrar também nas marcas deixadas no norte-americano a atitude de quem não pode se deixar amedrontar por essas demonstrações de força comuns nas quadras de esporte.

O fato é que a tecnologia deixa todo mundo mais perto dessas intimidades dos donos do poder, permitindo enxergar fragilidades que até bem pouco estavam circunscritas aos discursos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Justiça tem que ser para todos


Os últimos 33 anos no Brasil tiveram a marca indelével de três partidos: MDB, PSDB & PT. Neste interregno, quase tudo de bom, quase tudo de mau que ocorreu em terras brasilianas teve a participação da tríade.

Ler mais

Serie eleições 2018: priorizar o resgate da política.


O principal desafio da sociedade e das instituições, além dos próprios candidatos ao pleito de 2018, é superar a desilusão com a política. É preciso resgatar a importância da principal ou da única forma de resolução dos problemas coletivos fora do emprego da violência.

Ler mais

Por enquanto, espontânea e rejeição é o que interessa nas pesquisas


O alvoroço em torno das pesquisas de intenção de voto se justifica. Afinal, o grau de credibilidade de alguns institutos de pesquisa, como o Datafolha, torna-se um dos poucos referenciais concretos diante do achismo de palpiteiros.

Ler mais