resumo-da-politica

Clima Político da semana: última semana de Rodrigo Janot

Imprimir

Última semana de Rodrigo Janot à frente da PGR. A expectativa é que ele apresente nos próximos dias nova denúncia contra o presidente Michel Temer. A Câmara tenta concluir a votação da Reforma Política. O ex-presidente Lula presta depoimento ao juiz Sérgio Moro. Na semana passada, o ex-ministro Antonio Palocci fez duras revelações sobre Lula, a ex-presidente Dilma Rousseff e a Odebrecht.

Janot pode apresentar segunda denúncia contra Temer

Esta é a última semana de Rodrigo Janot no cargo de procurador-geral da República. Seu mandato vai até o dia 17. No dia seguinte, Raquel Dodge assume o posto para um mandato de dois anos.

Até sexta-feira (15), Janot deve encaminhar ao Supremo nova denúncia contra o presidente Michel Temer por obstrução da Justiça e organização criminosa. Após análise do ministro Edson Fachin, ela será encaminhada para a Câmara.

Na Câmara, ela será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e, depois, pelo plenário da Casa. Para autorizar abertura de inquérito contra o presidente da República são necessários 342 votos. A avaliação de aliados é que a prisão de Joesley Batista enfraquece ainda mais eventual denúncia contra Temer.

TENDÊNCIA: Encaminhamento da denúncia contra Temer até sexta

Câmara analisa Reforma Política

A Câmara volta a analisar, na terça-feira (12), mudanças no sistema político. O plenário já aprovou o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 282/16, do Senado, que veda coligações para eleições proporcionais e cria uma cláusula de desempenho para o acesso dos partidos ao Fundo Partidário e ao tempo de propaganda em rádio e TV. Resta a análise dos destaques.

Pelo acordo entre os líderes, a análise da proposta só será retomada depois que os deputados decidirem sobre outra PEC da Reforma Política: a PEC nº 77/03, relatada pelo deputado Vicente Candido (PT-SP), que altera o sistema para a eleição de deputados e vereadores e cria um fundo público para o financiamento das eleições.

A decisão sobre o sistema eleitoral terá prioridade porque influencia diretamente as regras sobre coligações. A ideia é votar a PEC nº 77/03 (sistema eleitoral) em primeiro e segundo turnos e, depois, os destaques à PEC nº 282/16 (coligações e cláusula de desempenho).

TENDÊNCIA: Conclusão da votação esta semana

Lula depõe em Curitiba

O ex-presidente Lula depõe, na quarta-feira (13), em Curitiba, para o juiz Sérgio Moro. Lula vai depor no processo em que é acusado de corrupção passiva por supostamente aceitar a doação de uma área oferecida pela Odebrecht para a construção da nova sede do Instituto Lula.

Na semana passada, o ex-ministro Antonio Palocci disse ao juiz Sérgio Moro que o ex-presidente avalizou, em 2010, um “pacto de sangue” no qual a Odebrecht se comprometeu a pagar R$ 300 milhões em propinas ao PT. O acerto, segundo Palocci, foi feito no fim do governo Lula e incluiu, além desse valor, um terreno para o instituto do ex-presidente e o sítio em Atibaia (SP).

O que teria motivado a oferta desse “pacote de propinas”, segundo o ex-ministro, foi a eleição da ex-presidente Dilma Rousseff, o que teria feito a empresa “entrar em pânico” por não ter com ela a mesma intimidade que mantinha com Lula.

Movimentos sociais prometem fazer mobilização em defesa do presidente no dia do seu depoimento.

TENDÊNCIA: Manifestação modesta em favor do ex-presidente.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais