brasil

A Justiça, Desesperadamente

Imprimir

Consentida e resignada perante a lei, a justiça como instituição é pedra, água, claridade. Até que a transgressão do indivíduo que a integra como membro diga o que entende por poder do poder judiciário. Muitos, atraídos pelas sombras do concurso público e as nomeações que não lhes vasculham a moral e os costumes, são hoje os que mais contribuem para a reprodução da injustiça e o bloqueio da transformação social.

Seus caminhos não foram feitos para todos percorrerem. Costuram uma ilegalidade na lei e a vestem como legal. Assim fizeram com os auxílios diversos que usufruem, como o despudor de receber para morar em casa própria.  Ou, outra barbaridade, a apropriação pessoal de dinheiro da União que os advogados do Estado se concedem ao tomar posse dos honorários de sucumbência quando sai vencedora a administração pública.  Aqui parece o fim do mundo!

O orçamento próprio obstrui a coalizão ética que torna os três poderes responsáveis pela sobrevida material da nação. Vivendo à margem das dificuldades da maioria dos funcionários públicos integrou-se à desigualdade social brasileira. Sua ferida é a escandalosa doença nacional do privilégio.

A desmistificação do “saber” de muito juíz, que contamina toda a carreira e atrai os sem vocação, deve ser feito não somente pela ética utilitarista que usa, mas pelo fundamento dela: as ilusões de que a primazia da responsabilidade perante a lei e a constituição pode ser prerrogativa de servidor cuja consciência profissional é adubada por condição econômica ficcional, fruto de sua própria outorga. Sem renovar suas diretrizes morais em relação ao impulso por gratificação o judiciário terá que cuidar de retirar, rapidamente, da singela noção de remuneração digna e transparente uma das qualidades da honra de um juiz.

Assim, o condicionante econômico nos juízes nunca irá amadurecer, pois continuará a ser o de um pária privilegiado que se autoconcede distinção, julgando os outros como não se julga.

Quem quiser entender a concretude da vida real brasileira, seus artefatos e figuras manipuladoras, concentre-se na “autoridade fenômeno”. Produção superficial comum na rotina política, vazou pelos buracos das contradições das forças econômicas, do mundo virtual que separou trabalho e emprego, e das relações de produção modernas fluidas e recicladas. O mau político, o mau juiz, o mau advogado da união, o mau promotor, cada um, de forma não arbitrária, contém um ao outro dentro de si. Sem se dar conta estão se tornando, por culpa do corporativismo  delirante que tomou conta da administração do Estado, o paroxismo do mau conceito de autoridade. Vistos na televisão com sua fantasia de autoridade, artistas de novela cavando a cratera do vulcão onde vive nosso distraído povo, percebemos o quanto a patologia da má influência tomou conta da elite do Estado.

O feudalismo judicial brasileiro, em sua banal cena primitiva, aproveita-se do país sem história em que nos tornamos e amplia a simulação da justiça. Cuidado: quem não fura a bolha da insignificância social não deve trapacear com a justiça. Quem fura, legal ou ilegalmente, se já não tiver uma alta autoridade a tiracolo será fácil encontrar uma para pôr no bolso.

Se alguém tem esperança de que o Brasil não viva a violência institucional que atormenta vizinhos e outras democracias ficcionais, observe bem o movimento em direção ao deserto que políticos andam fazendo, abraçados a juiz prêt-à-porter, para levar toda a justiça no bico e enterrar o Supremo junto com o princípio da igualdade de todos perante a lei.

O que está em discussão é se podemos interromper esta náusea conservadora, verdadeira erosão social, política, moral, econômica e cultural, um deserto de azulejo frio que limou o discernimento do país. É esse período de total transparência do mal, misturado com falsa prosperidade e aventureira facilidade, que pressiona a presidente do Supremo para afundar de vez a justiça na sua banalidade histórica: continuar manipulando um país injusto, desigual e totalmente autoritário. Onde qualquer cidadão, inclusive o Presidente da República, pode ser preso ou intimidado por um juiz pelo que lhe der na cabeça naquela hora, mas um condenado ilustre, ordena imperiosamente que seja convocada a reunião de todos os juízes, para que mudem a lei e a ajustem ao figurino do espantalho da democracia que somos.

 

*****

PAULO DELGADO é Sociólogo.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais