estados

Alckmin sofre nova derrota interna no PSDB

Imprimir

Depois de ter sido obrigado a engolir a recondução do senador Aécio Neves (MG) à presidência nacional do PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), sofreu uma nova derrota interna com a continuidade do deputado Pedro Tobias à frente do diretório estadual tucano. Tobias justificou sua permanência como presidente do PSDB por mais um ano alegando “preocupação” com a sucessão de 2018 ao Palácio dos Bandeirantes.

Por trás desse movimento interno que viabilizou a manutenção de Tobias no comando estadual da sigla está a preocupação com a aproximação de Alckmin com o PSB. Caso seja candidato à Presidência da República, o vice-governador Márcio França, do PSB, herdaria o Palácio dos Bandeirantes por cerca de nove meses, e muito provavelmente seria candidato a governador com o apoio de Alckmin.

O problema é que parte importante do PSDB nacional e estadual entende que os tucanos devem ter candidatura própria no estado que governam desde 1995. Por isso rejeita a articulação de Alckmin em favor do PSB e resolveu, através da continuidade de Tobias como presidente do partido em São Paulo, tentar frear os planos do governador.

No PSDB, o nome mais cotado para ser novamente candidato a governador de São Paulo é o do chanceler José Serra, que já governou o estado. Outras possibilidades são o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e o vice-prefeito Bruno Covas. Caso esteja bem avaliado em 2018, o atual prefeito de São Paulo, João Doria Junior também é mencionado como alternativa na bolsa de apostas.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais