politica

Alckmin sua missão é unificar o PSDB

Imprimir

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi eleito no último sábado (9) o novo presidente nacional do PSDB. A chapa encabeçada por ele recebeu 470 votos favoráveis e apenas três contrários na convenção nacional tucana, realizada em Brasília (DF).

Perillo e Trípoli na vice-presidência

O primeiro vice-presidente nacional do partido será o governador de Goiás, Marconi Perillo, ligado ao grupo do senador e ex-presidente da legenda Aécio Neves (MG). O segundo vice será o deputado federal Ricardo Tripoli (SP), líder da bancada tucana na Câmara dos Deputados.

Após a confirmação de sua vitória, Alckmin realizou um discurso de pré-candidato ao Palácio do Planalto. Defendeu a necessidade de reformas política, previdenciária e tributária. Também discursou em favor da redução do peso do Estado. “Já passou a hora de tirar o peso desse Estado ineficiente das costas dos trabalhadores e dos empreendedores”, afirmou.

Alckmin: o Anti-Lula

Outro destaque no discurso foram as críticas ao PT e ao ex-presidente Lula. “Nós os derrotaremos nas urnas. Lula será condenado nas urnas pela maior recessão da história”, afirmou. Perdendo espaço para o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) nas pesquisas de opinião entre o eleitorado de centro-direita, Alckmin e o PSDB sinalizaram na convenção que começarão a se posicionar como “anti-Lula”.

A eleição de Alckmin através de uma chapa de consenso foi positiva para o PSDB. A partir de agora, alçado à condição de líder nacional da legenda, Alckmin terá o desafio de unir a sigla, bastante dividida, e consolidar internamente seu nome como candidato à Presidência. Embora o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), não deva ser totalmente descartado como presidenciável, é cada vez mais remota a possibilidade de ele desbancar Alckmin.

Previdência

Outro desafio para Alckmin e o PSDB é definir uma posição em relação ao governo Michel Temer (PMDB).  A Executiva Nacional do PSDB decidiu fechar questão a favor da Reforma da Previdência. Mas tal decisão não deve alterar de forma significativa o apoio que o partido naturalmente daria à reforma. Em especial porque não haverá qualquer punição a quem votar contra ou se ausentar.

O fechamento de questão foi uma vitória política do governador Geraldo Alckmin, que manda uma mensagem positiva para o governo, em especial para o presidente Michel Temer e para o PMDB. Vale lembrar que logo após uma reunião entre Temer e líderes dos partidos aliados (10/12), da qual o PSDB não participou, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, deu uma entrevista à Folha de São Paulo afirmando que o governo terá candidato em 2018, mas não necessariamente ele será do PSDB. Era um recado para pressionar o PSDB a fechar questão.

Desembarque cauteloso

Dos quatro ministros tucanos, dois já deixaram o cargo: Bruno Araújo, das Cidades, e Antonio Imbassahy, da Articulação Política. Permanecem no ministério Aloysio Nunes Ferreira, das Relações Exteriores, e Luislinda Valois, dos Direitos Humanos. Nunes deve ficar no cargo até abril de 2018, prazo-limite para a desincompatibilização dos que sairão candidatos em outubro (ele deve disputar a reeleição ao Senado). Em relação a Luislinda há uma pressão para que ela entregue o cargo.

A operação de desembarque deverá ser feita com cautela, pois, além do desejo de parte do partido de continuar na base, Alckmin sonha com uma aliança com o PMDB para 2018. Fora isso, um afastamento antecipado dos peemedebistas pode levar o governo Temer e o PMDB a se aproximarem do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), fortalecendo seu projeto presidencial, o que não interessa aos tucanos.

Assim, Alckmin deverá trabalhar para ter o PMDB ou boa parte dos peemedebistas a seu lado tendo em vista a sucessão presidencial. Porém, além da questão das alianças, o PSDB necessita construir um discurso. Qual será sua posição em relação ao governo Temer? Fará um discurso centrado apenas no “anti-Lula”? E se Lula não concorrer? O PSDB tem uma estratégia de posicionamento nesse cenário? Esses e outros são temas que representam desafios importantes para os tucanos.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais