agenda-politica-brasileira

Alerj analisa ordem de prisão contra Picciani

Imprimir

1. A Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) inicia análise da ordem de prisão dos deputados estaduais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB, autorizada pela Justiça Federal.

Destaques da agenda do dia

2. O governo deve liberar hoje mais R$ 7 bilhões em gastos no orçamento.

3. O Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, profere palestra em reunião plenária do Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV), em São Paulo. Depois, viaja para Berkeley, nos Estados Unidos, onde ficará até o dia 20 para proferir palestra na Universidade da Califórnia.

4. O governo libera R$ 1,7 bi do PIS/PASEP para aposentados.

5. O IBGE divulga os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do 3º trimestre, com índices sobre o desemprego.

6. IBGE divulga pesquisa mensal de serviços de setembro.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais