estados

Amazonino e Eduardo Braga disputam 2º turno no Amazonas

Imprimir

A eleição suplementar para escolha do novo governador do Amazonas classificou Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB) para o segundo turno, que será realizado em 27 de agosto. Tanto Amazonino quanto Braga, que atualmente é senador, já governaram o Estado.

Amazonino Mendes, que tem o deputado estadual Bosco Saraiva (PSDB) como vice-governador, é apoiado pelo prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB). Eduardo Braga, por sua vez, tem como parceiro de chapa o ex-deputado estadual Marcelo Ramos (PR), adversário político de Arthur.

Além da ida para o segundo turno de dois ex-governadores, ou seja, políticos tradicionais da política amazonense, vale destacar que o empenho do ex-presidente Lula (PT) em favor do candidato petista, o deputado estadual José Ricardo, não teve o efeito desejado, pois o representante do PT conquistou apenas 12% dos votos válidos, ficando em quarto lugar.

Disputa acirrada

O segundo turno no Amazonas promete ser bastante acirrado. Embora Amazonino Mendes tenha vencido Eduardo Braga por uma diferença superior a 13 pontos no primeiro turno, os votos da segunda colocada (deputada federal Rebecca Garcia) e do terceiro colocado (José Ricardo) tendem a migrar para o senador peemedebista no segundo turno. Apesar dessa vantagem de Eduardo Braga, a campanha no segundo turno será curta (apenas 20 dias), o que poderá ajudar Amazonino caso ele mantenha a vantagem conquistada no primeiro turno sobre Braga.

Braga não está alinhado com Temer

Vale registrar que embora Eduardo Braga pertença ao PMDB, partido do presidente da República, Michel Temer, o senador peemedebista não é politicamente alinhado com o Palácio do Planalto. Braga, que inclusive votou contra a Reforma Trabalhista, é próximo aos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Kátia Abreu (PMDB-TO).

A vitória de Braga deixará o PMDB com o comando de oito estados, quase 1/3 dos governadores do país. Um diferencial importante para 2018. O PDT ficaria com dois.

Eleição suplementar

O Amazonas está realizando eleições suplementares depois que José Melo (PROS) e Henrique Oliveira (SD), governador e vice eleitos em 2014, foram cassados por compra de votos. Desde a cassação de Melo e Oliveira, ocorrida em 09 de maio, o Estado é governado pelo presidente da Assembleia Legislativa, David Almeida (PSD), que no primeiro turno da eleição suplementar apoiou Rebecca Garcia.

Quem vencer a disputa entre Amazonino Mendes e Eduardo Braga completará o mandato do atual governador. Ou seja, a gestão do eleito irá apenas até 31 de dezembro de 2018. O vencedor poderá ser candidato à reeleição nas eleições de 2018.

O primeiro turno das eleições no Amazonas traz algumas revelações importantes:

  1. O desencanto do eleitor com a política: 24% de abstenções;
  2. Não houve eleição do “novo”, foram para o segundo turno dois políticos tradicionais;
  3. A estrutura partidária será fundamental numa eleição sem financiamento empresarial;
  4. O PMDB, mesmo desgastado por conta da Lava-Jato, está no segundo turno.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais