crise

As estruturas

Imprimir

O ano de 2016, que termina hoje, ofereceu as mais diversas visões do desastre político e econômico. Os brasileiros da escola de Macunaíma devem estar orgulhosos. O país produziu o maior escândalo de corrupção já verificado, catalogado e descoberto em qualquer outro ponto do planeta.

Mais uma vez o mundo se curva diante do gigantismo verde e amarelo. Ninguém segura o Brasil. No plano das coisas práticas, além da vergonha nacional, as diversas investigações fizeram vir à tona um gigantesco iceberg de corrupção.

A atuação da Odebrecht é realmente notável. A empresa, com rigor e objetividade, soube entrar nos governos de vários países latino-americanos e africanos. Produzir obras – no capítulo da engenharia a empresa baiana é conhecida por cumprir prazos e entregar o que promete – e distribuir propinas com a maior seletividade.

E chegou ao ponto de criar um departamento para realizar o pagamento certo à pessoa necessária. Está recebendo formalmente agora o troco. Sete países já anunciaram que vão tomar medidas contra a empreiteira.

Os países são México, Peru, Argentina, Colômbia, Equador e Venezuela. Essa lista não é importante. A empresa já pagou a quem poderia influenciar as decisões em seu próprio benefício. O crime já aconteceu. No Panamá, ao contrário, o governo decidiu não colaborar com as investigações. Elas poderiam alcançar o ex-presidente.

Impressiona é a organização da empresa baiana que montou estruturas em Portugal, Holanda, Áustria e Antígua para lavar dinheiro destinado justamente a seus apaniguados. Coisa de profissional. Naturalmente, os bancos, grandes ou pequenos, fizeram a sua parte nesta operação. Receberam pelo trabalho e se mantiveram silentes.

O sistema financeiro está no meio dessa gigantesca operação, que virou uma síntese do Brasil. A atuação da Odebrecht demonstra que há competência profissional no Brasil, gente qualificada e capaz. Também demonstra que o empresário brasileiro é audacioso. Promete e entrega o combinado.

No meio do caminho há propina que não é exclusividade nacional. É o agrado necessário. Os recursos apareceram e as obras explodiram em países da América Central e do Sul. Também em Angola e Moçambique, na África.

Trata-se de um exército poderoso, habilidoso e potencialmente perigoso. Capaz de desestabilizar governos. O caso do Equador é curioso porque a empresa foi expulsa do país por determinação do presidente da República. Dois anos depois retornou sem comemorações à sua antiga posição. Parece que a questão era somente de ajustar percentuais e beneficiários.

A Odebrecht construiu o metrô de Miami, mas lá não operou à sua maneira. Trabalhou by the book. Foi descoberta, no entanto, quando seus diretores utilizaram bancos norte-americanos para fazer suas transações.

Havia uma engrenagem perfeitamente azeitada em pleno funcionamento com tentáculos em diversos países na Europa, na África e nas Américas. Isso começou dentro do Brasil, quando os petistas perceberam que precisariam de muito dinheiro para manter sua maioria no Congresso Nacional. E mais ainda para realizar campanhas eleitorais capazes de vencer a oposição.

Eventuais sobras foram encaminhadas para os políticos mais poderosos dentro das legendas. Foi uma festa. As duas estruturas se encontraram e produziram o Brasil dos últimos doze anos. O que os brasileiros percebem hoje é o resultado da atuação sistemática de organizações poderosas.

Os governos petistas, com a sua política desenvolvimentista, a chamada nova matriz econômica, quebraram o país. Jogaram a Petrobras numa situação lamentável. Era a segunda maior empresa do mundo, em maio de 2008 (US$ 309 bilhões). Em janeiro de 2016, estava no 249º lugar entre as maiores do mundo (US$ 17.834 bilhões).

Incentivaram os governadores a gastar mais e forçar a elevação do consumo. O resultado está diante de todos: salários atrasadíssimos e o décimo terceiro que passou a ser vaga promessa. O Brasil perdeu tempo ouvindo platitudes de Dilma Rousseff e de seu ministro da Fazenda, Guido Mantega.

O desemprego alcança cerca de 12 milhões de pessoas em condições de trabalhar. É um desastre de proporções bíblicas. E não há remédio que produza a reversão em curto prazo. Os governos de esquerda, na América Latina, curiosamente seguiram o mesmo caminho: todos estão com graves problemas de caixa.

A Argentina, por exemplo, vive uma recessão abissal. Aqui parece que o pesadelo está perto do fim. Há alguma chance de recuperação. O Brasil não vai acabar. E a nova geração trará novas e melhores ideias. Feliz 2017.

Publicado no Correio Braziliense em 31/12/2016

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais