dilma

As heranças de Dilma

Imprimir

O governo Dilma 2 começa vergado por uma pesada carga de heranças de seu mandato primeiro. Algumas podem ser consideradas “heranças malditas”, como o desgoverno fiscal. Todas, em seu conjunto, são muito importantes e devem exigir um grau de elevada competência em vários campos.

Na economia, Dilma herda um governo com credibilidade internacional débil, problemas sérios de natureza fiscal e cambial, crescimento muito abaixo das expectativas e mantendo os investidores nacionais e estrangeiros em compasso de espera a respeito da qualidade da equipe econômica que pretende escalar.

A questão econômica tangencia a sociedade quando estamos diante do possível aumento de preços de energia, de combustível e da própria carga tributária para melhorar o resultado fiscal. Atinge em cheio à sociedade quando temos um encolhimento dramático da participação da indústria no PIB e o fantasma do desemprego rondando setores importantes, como o metalúrgico e o de transportes.

Desde o início do primeiro governo Lula, o Brasil nunca iniciou uma presidência com tantos problemas e desafios no campo econômico. A diferença é que Lula operou muito bem os mercados ao acenar com uma conciliação ancorada em dois nomes com credibilidade: Antonio Palocci e Henrique Meirelles. Não é o que vemos hoje, por enquanto.

O governo Dilma deveria lembrar de Bias Fortes, político mineiro, para quem “o primeiro dever de um governo é não assustar”. Para a saúde da economia, melhor seria a indicação imediata de uma equipe de altíssimo gabarito e elevada qualificação técnica.

Outro aspecto crítico é a gestão. A presidente chega ao seu segundo mandato com resultados inconsistentes. Se no capítulo da concessão dos aeroportos e rodovias, as metas foram quase cumpridas, nos portos e ferrovias praticamente nada foi feito.

O governo se depara com um grave problema no setor de energia, com dívida de geradoras e distribuidoras superiores a R$ 50 bilhões, reajuste de tarifas para os consumidores que superam 50%, além de falta d’água e racionamento a caminho. Problemas demais num só setor.

Na política, o saldo é uma base de apoio menor e mais dividida, com problemas em todos os partidos. PMDB e PP estão rachados. O PTB, hostil. PSD e o PROS famintos por cargos. E o PT, além de dividido, magoado. O custo da unificação é elevado.

Outro desafio: a substituição do ministro José Jorge, do TCU. Dilma gostaria de indicar alguém de sua confiança, mas, pela tradição, a vez é do Senado. O que fazer? Quem leva a melhor?

Existe um clima de guerra surda no Congresso. A derrota na Câmara dos Deputados na questão dos conselhos populares era mais do que previsível, mas não deixa de ser um recado. E vem mais por aí.

A pauta bomba tem grandes impactos. Na pauta da Câmara desta semana estão o fim da contribuição de inativos, a equiparação de salários de presidente da República, de vice, de ministros de estados, senadores e deputados federais, ministros do Supremo Tribunal Federal, Orçamento Impositivo, aumento do Fundo de Participação dos Municípios, entre outros. No Senado, o projeto que muda o indexador da dívida de estados e municípios com a União já foi aprovado.

Para alimentar o caldeirão, o Judiciário quer aumentos de 22%, muito acima dos 5% propostos no Orçamento. E a PEC da Bengala, que vai ampliar de 70 para 75 anos a data limite de aposentadoria de ministros do STF, assunto do qual Dilma não quer ouvir pois isso implica deixar para o sucessor a adorável tarefa de substituir cinco ministros.

O aceno inicial de Dilma para o diálogo foi uma boa iniciativa. Só que parcial. Não mencionou governadores, Congresso e a oposição. Pode ter agradado alguns, mas desagradou o mundo político. O clima não é bom. Em São Paulo, ocorreram manifestações contra o governo federal e contra o governo estadual. Podem ser o gatilho de uma nova série de manifestações como em junho do ano passado? Acho que não. Mas não é impossível.

Outra herança indigesta é o Petrolão. O governo terá uma extensa agenda negativa nos próximos meses, na medida que as delações forem sendo tornadas públicas. A incógnita está no tamanho do problema. Onde vai chegar? Quem será atingido pelas denúncias? Haverá cassações como na CPI do Orçamento, em 1993? Uma certeza: o espectro do Petrolão dificulta a reforma ministerial.

Esta semana, Lula e Dilma gastaram horas avaliando o quadro. Sabem que as heranças compõem um quadro muito complexo, onde a competência política e econômica, a inteligência emocional e o pragmatismo serão muito mais do que necessários. Serão vitais.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais