crise

A gasolina vai subir de preço pra encher o bolso da burocracia

Imprimir

Em pelo menos um aspecto o governo Michel Temer se parece com o dos petistas Lula e Dilma Rousseff – para o bem e para o mal, aliados do peemedebista por 13 anos. O trio se esmera em proteger o funcionalismo, o estrato assalariado mais privilegiado de nossa sociedade.

A estabilidade no emprego (o que impede o controle de produtividade), salários acima da média dos trabalhadores, greve remunerada, aposentadoria garantida e acesso a plano de saúde integram o conjunto de benefícios vitalícios da casta. Tais regalias deveriam ser suficientes para que o Governo Federal destinasse a maior fatia da receita da União à parcela majoritária de brasileiros, os que ficam do lado de fora da festa. Mas eis que não.

Na última quinta, 20, o governo anunciou o aumento dos combustíveis (R$ 10,4 bilhões) e um corte de gastos (R$ 5,9 bilhões). O saldo das novas receitas e do menor desembolso é de R$ 16,3 bilhões. Dinheiros com os quais a Fazenda espera cumprir a meta para 2017, de R$ 139 bilhões de déficit no orçamento.

Longe das intempéries

A dramática situação fiscal brasileira, oriunda sobretudo do governo Dilma-Temer (2011-2016), tem múltiplas causas – inclusive a rapinagem do erário desvelada pela Operação Lava-Jato e que apanhou próceres do PT, PMDB & PSDB. Para Felipe Salto, do Instituição Fiscal Independente (IFI), outra causa é o gasto tributário, ou seja, quando o governo abre mão de tributos desonerando fatias da economia.

Pelos cálculos do economista, o gasto tributário em 2017 deve superar os monumentais 4,5% do PIB. “Se metade desse valor tivesse sido revertido, com todos os outros fatores mantidos constantes, o déficit primário [R$ 139 bi], hoje, seria muito mais brando, próximo de zero”, diz.

Há, porém, outras fontes de recursos que teriam evitado o rombudo aumento dos combustíveis e os cortes que afetam com cada vez mais frequência serviços essenciais. Como patrulhar as rodovias e fiscalizar o trabalho escravo e infantil.

Os bilionários aumentos salariais dos servidores chamam a atenção por que beneficiam quem está no topo da pirâmide salarial, praticamente imune às intempéries da economia. “O governo deveria rever o reajuste dado aos servidores”, sugere Salto.

Na contramão, Temer esmerou-se em “pacificar” barnabés. Em julho de 2016, garantiu aumento dos salários de funcionários públicos que gerará, entre agosto de 2016 e dezembro de 2018, R$ 67,7 bilhões de gastos adicionais.

Como sempre fizera o PT, o presidente ampliou as categorias privilegiadas. Em dezembro de 2016, editou medida provisória garantindo mais R$ 11,2 bilhões que serão desembolsados até 2019.

Bônus ao ócio

Símbolo do deboche com a patuleia subempregada e desempregada, o Governo concedeu bônus de produtividade a auditores e analistas aposentados. É isto mesmo, leitor. Quem não mais trabalha vai receber por produtividade.

Assim, o Governo Federal vai desembolsar, por sua própria iniciativa, mais R$ 78,9 bilhões para engordar quem já está empanturrado. Por outro lado, vai tirar, apenas nos últimos seis meses de 2017, R$ 16,3 bilhões de quem pena há três anos com a recessão promovida pela imperícia da gestão Dilma-Temer.

Bastariam 20% do montante que o governo destinou ao estrato mais privilegiado para evitar os cortes em serviços essenciais do estado e o aumento dos combustíveis. A forma branda de definir a gestão dos recursos públicos – que não são escassos, mas irracional e injustamente distribuídos – é um pernicioso despautério.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais