crise

Apesar dos rumores, austeridade fiscal não está em risco

Imprimir

A necessidade que o presidente Michel Temer tem de barrar no Congresso Nacional a denúncia que deve ser oferecida pela Procuradoria-Geral República (PGR) tem levado o Palácio a realizar movimentos interpretados por alguns analistas do mercado como arriscados à manutenção da austeridade fiscal.

O primeiro deles ocorreu na semana passada, quando Temer ofereceu um jantar a 16 governadores e quatro vice-governadores. Como eles possuem grande ascendência sobre os deputados federais, o Planalto aposta nessa influência para ganhar ainda mais força na Câmara.

Em contrapartida, o governo federal sinalizou com a possibilidade de ceder um aporte financeiro via BNDES para os governadores renegociarem dívidas que totalizam cerca de R$ 50 bilhões.

Medidas de incentivo ao crédito também estão sendo estudadas. Ainda na semana passada, em entrevista ao jornal Valor Econômico, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), revelou que o novo presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, vai ampliar o crédito.

Jucá descartou que o governo esteja pensando no chamado “pacote de bondades”. Embora tenha falado sobre a necessidade de ampliação do crédito, não deu mais detalhes das medidas, que, segundo ele, ainda estão sendo debatidas devido à sua complexidade.

Apesar de medidas como essas não serem bem-vistas pelo Ministério da Fazenda nem pelo mercado, a eventual adoção das chamadas medidas anticiclícas, que marcaram a gestão do ex-ministro Guido Mantega na Fazenda durante a era PT, tem pouca possibilidade de ser implementada. Aliás, na entrevista ao Valor, Jucá descartou isso.

Ainda que a área política do governo venha a pressionar por um afrouxamento da meta fiscal, por enquanto tende a prevalecer a receita da Fazenda, que conseguiu recuperar parte importante da credibilidade dos investidores na economia. Claro que, dada a complexidade do cenário, a Fazenda pode recuar um pouco diante das necessidades políticas do governo, porém esse recuo não deve sinalizar ameaça à austeridade.

Como no cenário atual a prioridade do governo Temer é derrubar a denúncia da PGR no Congresso, o mais provável é que a agenda de reforma perca momentaneamente espaço. Mesmo assim, as reformas Trabalhista e Previdenciária podem voltar à pauta principal, sobretudo se o governo recuperar um pouco de força política a partir do segundo semestre.

Compartilhe no whatsapp: http://bit.ly/2tyn4tD

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais