brasil-politica

Base pronta para aprovar renegociação das dívidas dos estados

Imprimir

O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), garante que a base aliada do presidente em exercício Michel Temer está “pronta para votar e aprovar” o projeto de lei que trata da renegociação das dívidas dos Estados. Segundo ele, o limite de gastos será essencial. “O governo não abre mão”, disse em entrevista ao blog.

O adiamento da votação da renegociação das dívidas dos Estados é uma derrota para o governo?

Claro que não. O relator fez um pedido para adiar a votação da proposta, para ter mais tempo para analisar as emendas. O governo não seria intransigente para atender um pedido de um relator como o Esperidião Amin (PP-SC), um cara sério e respeitado na Câmara.

Não é preciso negociar melhor com a base?

A base está pronta para votar e aprovar a proposta de renegociação das dívidas. Óbvio que alguns não concordam com o projeto, por questões pessoais. O governo tem uma base ampla, motivo pelo qual é difícil ter unanimidade. Opiniões divergentes é natural. Mas a base está pronta para votar e aprovar.

A Câmara tem medo de votar projetos contra o funcionalismo público?

A essência do projeto é exatamente o limite de gastos por parte dos Estados. Esse é o ponto principal do projeto e será mantido. Os estados terão renegociação da dívida de até 20 anos para o pagamento. Agora tem que ter a contrapartida. E a contrapartida é exatamente a limitação do aumento de gastos para os Estados. Porque, caso não seja assim, os Estados continuarão sempre gerando dívida.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais