brasil-politica

Base pronta para aprovar renegociação das dívidas dos estados

Imprimir

O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), garante que a base aliada do presidente em exercício Michel Temer está “pronta para votar e aprovar” o projeto de lei que trata da renegociação das dívidas dos Estados. Segundo ele, o limite de gastos será essencial. “O governo não abre mão”, disse em entrevista ao blog.

O adiamento da votação da renegociação das dívidas dos Estados é uma derrota para o governo?

Claro que não. O relator fez um pedido para adiar a votação da proposta, para ter mais tempo para analisar as emendas. O governo não seria intransigente para atender um pedido de um relator como o Esperidião Amin (PP-SC), um cara sério e respeitado na Câmara.

Não é preciso negociar melhor com a base?

A base está pronta para votar e aprovar a proposta de renegociação das dívidas. Óbvio que alguns não concordam com o projeto, por questões pessoais. O governo tem uma base ampla, motivo pelo qual é difícil ter unanimidade. Opiniões divergentes é natural. Mas a base está pronta para votar e aprovar.

A Câmara tem medo de votar projetos contra o funcionalismo público?

A essência do projeto é exatamente o limite de gastos por parte dos Estados. Esse é o ponto principal do projeto e será mantido. Os estados terão renegociação da dívida de até 20 anos para o pagamento. Agora tem que ter a contrapartida. E a contrapartida é exatamente a limitação do aumento de gastos para os Estados. Porque, caso não seja assim, os Estados continuarão sempre gerando dívida.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais